Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

11
Set13

A narrativa da austeridade - lá como cá

mariana pessoa

Entre Portugal e Inglaterra há, certamente, muitas diferenças. Mas lá, como cá, a moralidade subjacente à narrativa da austeridade (o prosaico "andámos a viver acima das nossas possibilidades") faz o seu caminho.

Este excerto de "Framing the economy: the austerity story", torna claras as similitudes das narrativas vigentes nos dois países (sublinhados são da minha responsabilidade):

 

"The Coalition tells a powerful story about the economy to make the case for austerity in the media and public communications. It is consistent, memorable, uses vivid images and emotional metaphors, and is simple enough to be understood and retold.

There are several frames that underpin it:

  1. Dangerous debt – the most important economic issue the UK faces is the size of public sector debt, caused by excessive public spending.
  2. Britain is brokethe UK’s public finances are like an individual household, which has spent all its money.
  3. Austerity is a necessary evil there is no economic alternative to spending cuts.
  4. Big bad governmentthe bloated, inefficient and controlling government is getting in the way of progress, interfering in people’s lives and rewarding the undeserving.
  5. Welfare is a druglike drug addiction, state support is tempting, but ultimately dangerous; benefit claimants are weak, reckless, undeserving and addicted to hand-outs. (*)
  6. Strivers and skivers – there are two kinds of people in Britain: hardworking strivers and lazy skivers, we each choose which to be. (**)
  7. Labour’s messall the faults of our economy can be pinned on the previous (Labour) Government and their out of control spending."

(*) Em Portugal: os desempregados, esses inúteis, que não têm emprego porque não querem, vai daí é cortar-lhes o montante/duração do subsídio, que toda a gente sabe que estar desempregado é uma experiência altamente gratificante.

(**) Em Portugal: os RSI, esses malandros, que vivem à custa dos nossos impostos.

 

A mesma narrativa, dois países, diferenças gritantes entre eles. "Ideologia" está mal escrito.

28
Mar13

Embuste. Narrativa.Ponto de vista

mariana pessoa
Ainda não consegui escrever nada que excluísse estas 3 palavrinhas. Por isso, tenham paciência.
Até lá, fica o primeiro ensaio de fact checkers em Portugal, via Jornal de Negócios: http://www.jornaldenegocios.pt/economia/politica/detalhe/factos_e_numeros_ditos_por_socrates_sao_verdadeiros_ou_falsos.html

Para mentiroso, ladrão e pinóquio não está mal de todo, não.
«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D