Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

11
Nov14

Coragem e convicção

Diogo Moreira
António Costa, ao defender no actual contexto duas novas taxas de imposto, demonstra ter convicções, e a coragem para as defender, contra a opinião dominante, algo que deve ser elogiado num candidato a Primeiro-Ministro. Ajuda certamente, que a oposição mais sonante seja feita por um ministro em funções, que efectuou uma interpretação realista (ou real) de um bêbado e/ou drogado, perante a passividade de um parlamento, que também fez a interpretação de uma manada de gado.

6 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Count 12.11.2014

    Não seja ridículo "De Knome ". Primeiro parte do princípio errado que este governo tirou o país da bancarrota, já que é mentira, pois estamos bem pior do que em 2011 a nível de dívida. Depois é a função e em quem incide o imposto. Já agora, o Costa continua a manter o IMI, IRS e derrama (esta em condições especiais para PMEs ) em mínimos. Portanto não diga asneiras.
  • Sem imagem de perfil

    Knome 12.11.2014

    Um ri e o outro arranja umas certezas para chegar a uma conclusão de algum mainstream idiológico. Um país que pediu 70 M€ emprestado e gera dívida todos os anos, queria o quê? Que a diminuisse? Santa ignorância. Estaremos cá na próxima década, assim espero, mas, infelizmente, para falar da 4ª bancarrota deste país q não se governa nem se deixa governar. Nem com exemplos contemporâneos (caso da Venezuela) que com a conversa socialista vai levar o país à bancarrota, mesmo a viver em cima de poços de petróleo. Ah! Já me esquecia, a culpa é dos terríveis imperialistas. Quanto à governação do Costa, não sou municipe de Lisboa, mas entre 2012 e 2013 a dívida aumentou 80 milhões de euros, o resto é retórica e conversa da treta.
  • Sem imagem de perfil

    Knome 12.11.2014

    70.000 M€ e nãp 70 M€, como é óbvio.
  • Imagem de perfil

    jpferra 13.11.2014

    knome o que tu dizes que aumentou os impostos para nos tirar da bancarrota, foi o mesmo que com a desculpa de não se aumentar mais impostos, não aprovou uma solução para provocar eleições, agarrar-se ao pote e encoberto da ajuda externa aplicar todo um programa ideológico, que de outra maneira nunca conseguiria.
    Já agora, para um minuto e pensa um bocado, se não quiseres pensar ou não conseguires, responde, quem criou o buraco BPN e da madeira, quem é suspeito dos negócios dos submarinos?
  • Sem imagem de perfil

    Knome 14.11.2014

    Agora é a minha vez de rir. Chegamos àquela parte, como diria o outro, da "narrativa" do pec4. A narrativa das próximas eleições. Tenha dó e decoro. O País gastava mais do que produzia, mal, diga-se de passagem, e continua a gastar mais do que produz, se isto não é argumento suficiente para cortar na despesa do estado não sei que argumentos são necessários. Já para não falar que foi o inanarrável que negociou o pacote de ajuda. Mas já há narrativas de vitimização a ser construidas com resultados bastantes bons. Não julgue por si se os outros pensam ou não, apresente argumentos contra os factos, é suficiente. Em relação ao BPN, tirando o caso de polícia, inerente à fraude/roubo, há os inanarráveis, o da governação e o da supervisão, este último despachado para Bruxelas para estar longe da justiça, que não tiveram a melhor atitude na resolução do caso. Quanto aos submarinos, o Guterres do pantano, queria comprar 6 e houve vários governos pelo meio, mas a justiça não tem funcionado, de facto e não me parece que seja só pelo Portas, há mais muito mais, de certeza. E casos, neste País de corruptos, há aos montes, lembra-se do fax de Macau, parece que não aconteceu nada, parece que o inimputável Mário Soares estava envolvido. Eu não quero saber a que partidos pertencem, quero é que os corruptos sejam julgados, ponto. E, mais importante do que tudo, quero que este País siga as melhores práticas da governação e não é no socialismo que as vejo, só isso.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    «As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
    - Ortega y Gasset

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    No twitter

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D