Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

20
Out15

Acordo sinistra

CRG

"After all, what is travel — or life, for that matter — but a continuing negotiation between expectation and reality?"

Rachel Donadio

 

Sempre fui céptico em relação a um acordo governativo de esquerda. Pensava eu que  do lado do PS as negociações serviriam para ter uma posição de força perante a PAF, enquanto do lado do BE e da CDU haveria necessidade de colocar junto do eleitorado o ónus no PS pela quebra do eventual acordo.

 

Agora que o acordo está próximo, socorrendo-me das práticas milenares dos cronistas, vou analisar a posteriori as razões pelas quais este acordo era afinal inevitável:

 

Apesar do seu segundo pior resultado de sempre, se um eventual governo minoritário PSD/CDS fosse empossado e posteriormente derrubado, nas próximas eleições existiria um forte apelo ao voto útil, legitimado pela experiência recente. Assim, a única forma de o BE e a CDU não perderem os ganhos das últimas eleições é darem apoio a um governo do PS.

 

Do lado do PS, um apoio a um governo de direita reforçaria a posição que se tenta vender de que não há nada de substancial a distingui-lo dos partidos à sua direita. Resultado: perderia votos quer para a sua esquerda quer para a sua direita.

 

A sobrevivência política da esquerda joga-se, portanto, na obtenção de um acordo de governo e eis que a necessidade concretiza o impossível: a TINA da esquerda derruba a PAF.

6 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Carlos 21.10.2015

    Boa noite ;


    Ainda não são governo e já começam a querer arranjar desculpas ? Vão começar bem.
    Segundo parece o défice de 2015 fica abaixo dos 3% , os dados económicos ainda que incipientes mostram uma tendência clara de inversão , crescimento continuado, descida do défice , melhoria das contas externas , melhoria da taxa de desemprego.Apesar de ainda andarmos sobre brasas inverteram-se as tendências, Pelo que li hoje que foi acordado com o BE , a reposição da totalidade dos rendimentos da função pública e o fim da sobre taxa de IRS , vão obrigar a desencantar uns 1,6 mil milhões de euros para o orçamento do próximo ano , isto se só ficarem por aqui,, mas pelo que se sabe vai haver mais.
    Se fosse a si não me preocupava muito , o orçamento se aumentar o défice acima dos 3% é chumbado em Bruxelas , brevemente teremos o Dr. Costa a atirar as culpas para a união europeia. Déjà vu .... Alô , Alô Sr. Tsipras e Varoufakis .
  • Sem imagem de perfil

    O verdadeiro Atento 21.10.2015

    Este ainda não percebeu que Costa não precisa de aumentar o défice para distribuir melhor o produto dos impostos. Basta reorganiza-los e pôr a pagar quem nestes ultimos 4 anos beneficiou do bodo aos ricos entregue de mão beijada pela Paf. Basicamente chegou a altura de deixar de chular os trabalhadores para passar a xular os empresários imprestaveis deste pais.Os mesmos que juram a pés juntos que a divida é para pagar...desde que não sejam eles a paga-la. Tem de calhar a todos. Temos pena.
  • Sem imagem de perfil

    Carlos 21.10.2015

    Bom dia ;

    Já se sabe que Costa tem uma rotativa na cave para imprimir notas.Está muito mal informado , ou será de propósito , sobre os impostos que se pagam em Portugal.Ainda ontem foi publicada uma lista dos países em que as pessoas de maior rendimento pagam mais.Portugal está em sexto lugar.
    Dez por cento da população paga 90% dos impostos , não que isso por si só seja uma coisa boa , mas contraria o que diz. "Xulem" os empresários ,ou ainda melhor , ocupem as empresas. Este filme já foi visto antes com as consequências que se conhecem.Essa ladainha dos ricos que paguem a crise , não pagamos os empréstimos, etc, etc , leva a um destino , e o meu caro não deve ter assim tão grande dificuldade em descortinar qual é.
    Nos países mais abastados o esforço que se fez foi para acabar com os pobres , porque quer você goste ou não , são os ricos e os tais empresários que lhe põem a comida na mesa.
  • Sem imagem de perfil

    O verdadeiro Atento 22.10.2015

    São os ricos que me põem a comida na mesa?!
    Não meu caro, é o meu trabalho, excessivo e mal pago, que põem a comida na mesa dos ricos.
    Os ricos não são empresas de beneficiencia, estão no mercado para ganhar dinheiro e quanto menos na minha mesa me puserem mais a deles é farta. E é exactamente isso que procuram.
    Esquecem-se é que numa economia de mercado, quem lhes consome os produtos, precisa de dinheiro para os comprar.
    Não compare rendimento individual com rendimento empresarial, são coisas diferentes. Quem paga IRS neste país é quem trabalha por conta de outrém e pensionistas. E são estes que tem sido fustigados a um ponto absurdo, enquanto aos rendimentos do capital se dão descontos , créditos e benesses.
    Nunca sugeri que se ocupassem as empresas , o argumentario que mete palavras na boca do adversário que este não pronunciou é um argumentario francamente infantil. O que se sugere é que quem passou incolume estes 4 anos e até ganhou com este estado de coisas, passe a pagar o que todos os outros já pagam, de forma a melhor se poder distribuir os sacrificios e de forma a que quem está a pagar a totalidade desta embrulhada possa pagar um pouco menos.
    Está na altura dos empresários perceberem que a economia de mercado implica consumidores e que estes só consomem se tiverem dinheiro para consumir. Está na altura de perceberem que não podem embolsar como embolsaram durante os ultimos 4 anos. De novo...temos pena.

    É o capitalismo, estupido !
  • Sem imagem de perfil

    Carlos 23.10.2015

    Boa noite ;

    Pagam impostos os assalariados e as empresas e se tiver oportunidade de criar uma , verá os descontos , o crédito e as benesses que vai receber.Possivelmente também deve ser contra às empresas terem lucro , parece que na Venezuela foi considerado ilegal.
    Pelo menos nos últimos 4 anos não ganharam dinheiro à conta do estado e dos seus favores , como era costume na nossa praça com o manancial de obras públicas inúteis , e de empréstimos forçados da CGD , se o ganharam por terem arriscado o seu dinheiro estão de parabéns.Quando deixarem de haver capitalistas para nos "explorar" é que vai ser chato.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    «As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
    - Ortega y Gasset

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    No twitter

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D