Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

01
Nov12

Os deuses dos outros

boomerangomics
Na Islândia ninguém sabe ao certo quando os vulcões vão entrar em erupção. A relação de amor-ódio entre as placas tectónicas continentais alimenta os sonhos dos ultra-isolacionistas de ambos os lados. A anulação da dívida hipotecária superior a 110% da reavaliação é um desastre à espera de acontecer, a bolha imobiliária resultante do controlo de capitais imposto aquando do colapso da banca islandesa é um tubarão preso num aquário sem manutenção adequada, ursos polares náufragos dão à costa da Islândia, ainda com vestígios de icebergues agarrados às unhas. E depois?

As industrias da criatividade explodiram na sequência da implosão do sector financeiro. A música islandesa, o cinema e a literatura namoram com os mercados. O peixe e outros recursos marinhos são o petróleo islandês. Os sectores das pescas e da energia geotérmica foram nacionalizados após décadas concessionadas a 20 barões do mar, quando a Islândia ainda era o exemplo do sucesso neoliberal.

A ideia é que a riqueza da nação seja a riqueza dos cidadãos, como os fundos do petróleo norueguês, ou timorense. Ah e tal... «É uma rocha gelada ao pé do Círculo Polar Árctico e até a melhor banda islandesa, os FM Belfast, ganha a vida a escrever canções sobre férias à beira-mar em praias das caraíbas, não me lixes.» É um argumento muito frequente e bem fundamentado. É aqui que o islandismo pisca o olho ao realismo mágico. 

O Presidente da Islândia sentiu-se na obrigação moral de convocar um referendo antes hipotecar o futuro do país por várias gerações. A Irlanda e a Espanha também tinham bolhas imobiliárias e sectores financeiros expostos a riscos múltiplos, no entanto, os seus governantes não hesitaram em carregar sobre o exército de contribuíntes, uma responsabilidade para a qual em nada tinham contribuído. Foram pressionados, como a Grécia, sabe-se agora, foi pressionada pela França para anular o referendo em 2011 sob chantagem de revelação da "lista Lagarde" então Ministra das Finanças francesa.
A Islândia tem um longo cadastro de resiliência, primeiro ao Reino da Noruega e mais tarde ao da Dinamarca. A Islândia não constrói estradas ou sequer ciclo-vias em zonas habitadas por elfos e acredita nos seus próprios deuses, mesmo quando finge acreditar nos dos outros. Ser islandista é não deixar que seja o FMI a calcular o multiplicador recessivo do nosso país e depois dizer: Oopss desculpem, enganei-me. Sem indemnizar o empobrecimento da nação, as falências, os postos de trabalho perdidos e vantagem dada à concorrência estrangeira? Fazer sangue para saldar dívidas não era coisa das máfias? Ou foi noutro planeta? 

O Presidente do Município de Reykjavik, Jón Gnarr, humorista, ganhou as eleições depois de fundar o Best Party. O Best Party é o melhor partido, claro, porque defende as cenas cool e opõe-se a tudo o que seja uncool. E para além disso, e da troika, prometeu não cumprir nenhuma das suas promessas eleitorais. A Islândia é o laboratório político com que jamais ousámos sonhar. E foi então que resolvi redigir o Manifesto do Partido Islandista: Artigo 1º (e último) Em nenhumas circunstâncias o dinheiro do contribuinte será usado para resgatar bancos ou outros interesses privados.
Há quem diga que o islandismo é para preguiçosos e caloteiros. Não concordo. Pôr as pessoas antes dos bancos é para humanistas. Ser islandista não é vida fácil. O islandismo está cheio de obstáculos e dos piores: os desconhecidos.  A crescer mais de 3% e com o desemprego a rondar os 5%, pedir a cidadania é uma boa opção. Mais arriscado é confiar nestes austeristas com nomes alemães, que "ai aguentam, aguentam!" que encerremos as nossas contas no BPI. E no entanto, a Islândia é na Terra, não é na Lua.

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Figueiredo 16.11.2012

    A fusão do Partido Islandista com o Partido do Realismo Mágico será mais revolucionária que a fusão a frio. Uma mais exequível do que outra.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 17.11.2012

    É isso, Pedro.
    A tal fusão espantará o mundo e será proposta ao Nobel (em Física e em Política) ... Mas será rejeitado (esses prémios estão prostituídos de mais)
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    «As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
    - Ortega y Gasset

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    No twitter

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D