Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

06
Out21

Meritocracia em tempos de pandemia

CRG

Durante anos, foi-nos dito que não se devia desperdiçar uma crise, que havia lições a retirar das dificuldades. Assim, foi com surpresa — ou talvez não — que foi esquecida, no mínimo pouco debatida, a lição principal que se devia retirar destes anos de pandemia: a economia como um sistema cooperativo de produção conjunta. 

 

Ao contrário do que nos é vendido diariamente, a riqueza não é formada por um punhado de empresários geniais, que por via do seu esforço conseguem produzir tudo sozinhos. Nestes tempos de pandemia foi demonstrado, se dúvidas ainda houvesse, que tudo é produzido por todos trabalhando em conjunto; que todos os trabalhadores se encontram interligados numa rede de produção e de consumo.

 

A capacidade de produção de cada trabalhador está, assim, dependente da produção de terceiros, quer seja comida, limpeza, de cuidados de saúde, escola, cuidados domésticos, etc. Durante a pandemia apenas foi possível ficar em isolamento porque outros mantiveram em funcionamento a produção de comida, a recolha do lixo, e para que estes pudessem trabalhar algumas escolas tiveram que se manter abertas para que os seus filhos não ficassem sozinhos. 

 

Deste modo, todos beneficiam da diversidade de talentos e dos papeis numa sociedade, em que ninguém tem uma contribuição muito acima dos demais. Daqui decorre inevitavelmente que deve existir reciprocidade entre todos os trabalhadores e uma justa divisão do lucro. 

 

Esta visão da economia deve ser traduzida nas seguintes formas:

Em primeiro lugar, qualquer salário deverá permitir que qualquer trabalhador a tempo inteiro consiga provir para si as necessidades básicas para viver. Não existem trabalhos menores, são todos úteis para o todo.

 

Em segundo lugar, a redução das desigualdades salariais. Com efeito, "em 2019, somando a remuneração fixa e variável, os CEO em Portugal passaram a ganhar quase 30 vezes mais do que a média do salário dos trabalhadores. Em 2018, ganhavam 25 vezes mais. Em média, cada CEO ganhou 916 mil euros em 2019, um aumento de 20% face ao exercício anterior, enquanto o salário médio dos trabalhadores, ficou-se pelos 29 mil euros, subindo 1,5% em termos homólogos. Esta diferença não é justificável nem aceitável". 

 

Por último, um sistema fiscal justo para todos. Conforme referido supra a sociedade é um sistema de cooperação que produz conjuntamente a riqueza total da economia. Daqui decorre que a sociedade moderna tem uma profunda dependência mútua. Desta forma, todos devem contribuir para a sociedade de acordo com os meios de cada um. 

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D