Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

02
Jun15

Uma espécie de Lei de Hume

CRG

"If they can get you asking the wrong questions, they don't have to worry about answers"

Thomas Pynchon

 

A melhor forma de desvirtuar um debate: extrapolar do presente um cenário e transformar esse cenário em facto. A partir daqui a discussão, que passa a ser sobre tal "facto", independentemente da sua veracidade, torna-se granítica, inamovível. E se alguém ousa colocar em causa os seus pressupostos é apelidado de irrealista - é necessário discutir o que é, não o que se deseja, dizem.

 

Este anti-debate corrói o espírito democrático. O enquadramento económico/financeiro/social é uma construção política e como tal passível de alteração, caso a comunidade assim o considere. Deste modo, não pode ser vedada a sua discussão, sobretudo das premissas que suportam uma qualquer opção política. Como escreveu Robert Reich "o mercado livre não existe na natureza. É criado e protegido pelo governo. E todas as decisões como é organizado, que contratos são fraudulentos ou coercivos, e quanto poder no mercado é excessivo depende do governo."

 

Esta introdução vem a propósito de ser dado como facto indiscutível a insustentabilidade da segurança social. Na verdade parece ignorar-se que a manutenção da presente taxa de desemprego, de crescimento económico e de emigração o que se torna insustentável é Portugal como país.

01
Jun15

O Estado de Kafka

Sérgio Lavos

Uma das expressões mais queridas à direita é o “Estado mínimo”. Claro que esta expressão, quando pensamos nas políticas prosseguidas pela coligação PSD/CDS, significa Estado mínimo para os mais desprotegidos e Estado máximo para as empresas monopolistas, as que sobrevivem à conta de rendas estatais ou vivem sob a asa protetora do Estado, emulando, até certo ponto, o estado corporativista de Salazar. A EDP, a Galp, as empresas de telecomunicações e os grandes grupos de retalho são os novos beneficiários do rendimento social de inserção, usufruindo de margens de lucro altíssimas, benefícios fiscais gigantescos (agora complementados pela descida do IRC que deixa de fora PME’s) e de uma completa desregulação que leva a que Portugal esteja entre os países da OCDE com combustíveis, energia e telecomunicações mais caros. E com pior serviço. Um verdadeiro fenómeno.

Mas o Estado também é máximo na sua relação com o peixe miúdo. Somos o país onde o Governo trata criminosos como cidadãos exemplares (Dias Loureiro) e cidadãos exemplares como criminosos. Repetem-se os relatos de autênticas perseguições feitas a contribuintes com pequenas dívidas à Segurança Social e ao fisco. Sob a direção do VIP Paulo Núncio, o fisco dispara primeiro e pergunta depois, isto é, penhora supostos devedores (incluindo os que têm dívidas a entidades privadas, como as concessionárias das autoestradas) antes de tentar perceber se a dívida é real ou se o atraso tem justificação. A Segurança Social (com todos os cargos de direção ocupados por boys do PSD e do CDS) age do mesmo modo, havendo notícias de diretivas superiores ordenando aos centros regionais cobranças coercivas em altura de necessidade urgente de tesouraria. Há muitos casos de dívidas que não se confirmam (por erro dos serviços), mas quando assim acontece o cidadão terá de esperar uma infinidade pelo reembolso da dívida indevidamente cobrada.

Esta completa subversão da relação entre Estado e cidadão é uma das mais perigosas heranças deste Governo. É uma subversão que inverte o ónus da prova: o Estado parte do princípio de que o cidadão é culpado, e este terá de provar a sua inocência. Franz Kafka não contava certamente vir a ter tão diletos seguidores neste retângulo à beira-mar plantado.

Pág. 3/3

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D