Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



09
Out

Win-Win

por CRG

O caos na educação e na justiça resulta de um problema na execução de políticas, um caso de competência, ou melhor dizendo, da falta dela, pelo que é incompreensível que os deputados da actual maioria parlamentar procurem alcançar compromissos partindo destes erros, como tem ocorrido.

 

A não ser que não sejam lapsos.

 

De um lado, temos um Ministro da Educação que defende o fim da educação pública centralizada num ministério, que privilegia o ensino privado financiado publicamente através do cheque-ensino. Do outro, uma Ministra da Justiça que pretende potenciar o uso de tribunais arbitrais e acabar com a pendência usando todos os expedientes.

 

Perante isto não é necessário um grande esforço imaginativo para concluir que a actual paralisação da educação e da justiça poderão corresponder a efectivos ganhos para a agenda de ambos os Ministros.

 

O que me leva à pergunta essencial: Para quem não acredita, legitimamente, na coisa pública, terá interesse na sua boa gestão?

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

De Joe Strummer a 10.10.2014 às 11:01


Pura mediocridade, nada mais. Aventar, até como hipótese, um sentido ordenado de destruição programada não é senão um elogio invertido. Lose-lose.

Se aguçarmos o olhar veremos que a maior parte da mediocridade governamental é gerada pelos cretinos vindos dos programas de TV. Dêem a vez ao pessoal do Twitter ao menos sabíamos que era tudo uma piada.

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...

  • J P C

    Se é isso o que o meu comentário lhe faz lembrar, ...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset