Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Uma das primeiras coisas que se aprende em criminologia é que o criminoso não é diferente de cada um de nós. Na sua grande maioria a prática de crimes é potenciada pela oportunidade. Longe vão os tempos da escola italiana de criminologia, fundada por Lombroso, que defendia que os criminosos detinham características físicas únicas (ex: orelhas grandes; face assimétrica; crânio de proporções exageradas, etc). 

 

No entanto, à medida que o crime se vai tornando mais hediondo surge a necessidade de distanciar o criminoso do que nos é familiar, da "nossa humanidade", apelidando-o de monstro, com características psicológicas especiais - só assim se consegue assimilar a crua realidade. 

 

Deste modo, é compreensível que resista a confusão entre a pedofilia, que é um transtorno da sexualidade, e os agressores sexuais de menores, apesar de apenas 8% coincidirem. O senso comum dificilmente consegue conceber que alguém agrida sexualmente um menor sem que denote algum especial transtorno. 

 

No entanto, o que não é compreensível é que o Governo, ao propor a criação de um registo de identificação criminal de condenados por crimes contra a autodeterminação sexual e a liberdade sexual de menores, use esta confusão e esta necessidade emotiva para, através da sua técnica preferida - a da divisão -, nós contra os criminosos, procure retirar dividendos políticos.

 

E se dúvidas houvesse o espectáculo degradante que foi o discurso do Primeiro-Ministro numa creche demonstrou claramente qual a verdadeira motivação desta medida.

 

Acresce que é também esta confusão que permite à Ministra da Justiça afirmar impunemente que a taxa de reincidência neste tipo de crimes ronda os 90%, quando na verdade deverá rondar uns 7%, conforme indicado por Ricardo Barroso, professor na Universidade de Trás-os-Montes.

 

Ora, se a taxa rondasse os valores indicados pela Ministra a criação da lista ia contra as melhores práticas de política criminal (haveria claramente diminuição de culpa, a medida da pena, e consequentemente as penas teriam que ser reduzidas) e consubstanciaria uma verdadeira desresponsabilização das autoridades: em vez de uma pena seria necessário a aplicação de uma medida de segurança, dependente de análise de técnicos, o que permitiria na teoria a "prisão perpétua".

 

Se a motivação e os fundamentos estão errados, os efeitos poderão ser devastadores. 

 

Por um lado, um resultado negativo da consulta da lista, acrescido da sensação transmitida pela Ministra da Justiça de que o mais normal neste tipo de crimes é a reincidência, poderá transmitir uma falsa sensação de segurança, pese embora 92% dos agressores serem familiares ou conhecidos das vítimas. 

 

Por outro lado, quanto tempo irá demorar alguém a fazer o salto lógico natural: se 90% dos membros da lista irão repetir o crime não será melhor fazer desde já algo que o impeça?

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

De Joe Strummer a 16.03.2015 às 15:01


Pau-li-ta: Os labios abrem-se e soltam o ar, a ponta da língua faz uma viagem de dois passos pelo céu da boca abaixo e, no segundo, bate nos dentes. Pau. Li. Ta Teixeira da Cruz


Próximo passo, castração quimica?!

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • João Rosa

    Este post já tem algum tempo mas desde que se inic...

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset