Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



13
Jan

Segundo a "New Yorker" na última década a principal fonte de receita das companhias áreas americanas é a cobrança de taxas (ex: bagagem no porão, assentos mais cómodos, wi-fi, embarque mais rápido...), tendo aumentado 1200% desde 2007.

 

No entanto, para que as taxas funcionem, continua a reportagem, é necessário que  os passageiros considerem essenciais as contrapartidas, isto é, que o serviço básico sem as taxas fique degradado o suficiente para que os clientes sintam a necessidade de pagar o serviço extra.

 

Deste modo, as companhias áreas tem um forte incentivo para tornar o serviço básico quase intolerável - actualmente os lugares mais largos na classe económica  nas principais companhias áreas americanas são mais estreitos do que os piores lugares nos anos 90.

 

Interrogo-me se este incentivo não existe também nos serviços públicos; se a degradação dos mesmos abaixo do aceitável não será uma forma de empurrar os utentes para o pagamento de taxa "premium" no privado, quer esta seja na saúde, educação, complementos de reforma ou mesmo na justiça.

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

De nuvorila a 13.01.2015 às 19:45


Ainda tens dúvidas? És muito tenrinho...

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • Jaime Santos

    Eu não entendi o comentário do Diogo Moreira nesse...

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset