Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

27
Nov14

"Estamos pior ou melhor que em 2011?" Take 2

mariana pessoa

Aqui, o Sérgio Lavos confrontava as declarações do PM no seu discurso de abertura do Congresso do PSD com dados estatísticos. Prosseguiremos, pois, com mais dados, mas em bonecos, para facilitar:

Então: estamos pior ou melhor que em 2011?

População activa: em 2013 menos pessoas em condições para trabalhar do que em 2011. Simplesmente o motor do PIB e da sustentatabilidade de todos os sistemas:

 

 

pop activa.png

Fonte: INE

População activa (INE): população com idade mínima de 15 anos que, no período de referência, constituía a mão de obra disponível para a produção de bens e serviços que entram no circuito económico (população empregada e desempregada).

Nota: apresento dados que terminam em 2013 porque não há ainda, naturalmente, resultados globais do ano de 2014.

27
Nov14

Da série "reformas estruturais" (malabarice, disse ele)

mariana pessoa
14
Fev13

De um Primeiro-Ministro que não está em linha

Nuno Pires

 

31 de maio de 2011:

 

Passos diz que governo tem criado um "exército de desempregados"
Referindo-se a um crescimento residual (especialmente se comparado com a evolução atual) da taxa de desemprego.

 

13 de fevereiro de 2013:

 

Desemprego está em linha com as previsões do Governo
Referindo-se ao maior aumento do desemprego de que há registo em Portugal, no qual se registam 120.000 mais desempregados do que as previsões do Governo.

 

(Imagem: recorte da capa do Público de hoje)

01
Nov12

Processo de refundação em curso

Nuno Pires

Os novos hábitos desta governação continuam a fazer-me alguma impressão.

 

Marques Mendes, que recentemente parece ter adquirido o estatuto de proclamador oficial das novidades do Governo ao povo, comunicou-nos que o FMI e o Governo já estão a preparar a reforma do Estado (ou “refundação”, na sempre inovadora linguística de Passos Coelho).

 

No passado, qualquer indício, mesmo que infundado, sobre algo deste género granjeava aos governantes de então epítetos de “traidores da Pátria” para baixo, mas isso agora parece não interessar para nada – o que interessa é refundar a gosto. O Presidente (ausente), as instituições democráticas e as eleições que se lixem.

 

 

 

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D