Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

15
Fev14

Lição islandesa de Bjartur de Laxness sobre a crise económica

Pedro Figueiredo
As economias são sistemas complexos que resultam da acção e não da concepção humana. O sucesso económico da Islândia das últimas décadas foi resultado do desenvolvimento de boas instituições aliadas a um clima económico global positivo. O recente colapso económico, não apenas na Islândia mas em todo o Mundo, devia ser um alerta para perceber que as boas instituições é que importam e deveriam servir de incentivo à boa prática de se continuar a construi-las em vez de as desvalorizar a favor de organismos que geram pobreza.

Sem nunca lá ter estado, nunca me interessei muito pela Islândia. Demasiada natureza e muito pouca densidade para o meu gosto. Foi então que o trabalho me trouxe até à Islândia em Agosto de 2008. Apaixonei-me enquanto a economia islandesa desmoronava. Queria aprender o que era a Islândia e a sua cultura. Todos os islandeses que conheci disseram-me que devia ler Gente Independente. Li sobre a Casa-de-Inverno de Bjartur que se se transformou numa Casa-de-Verão enquanto lia também sobre a terra do fogo e do gelo transformada na terra das bancarrotas e das falências.

 

Fiquei espantada com as semelhanças das duas histórias: o cenário que serve de base à trama de Gente Independente e a situação de hoje são quase os mesmos. Começaram ambos pelo status quo. Há um boom económico. Há a ilusão que vai durar para sempre. O boom inclui um crescimento do imobiliário. Há pessoas a comprar bens que não podem pagar. Há uma mistura explosiva de políticos e homens de negócio. Há muitos e maus empréstimos. Há um colapso a seguir ao boom. Há empréstimos que não podem ser pagos. Casas abandonadas, deixadas vazias, algumas por acabar. O cenário de Bjartur faz-me tanto sentido como faz o cenário dos dias de hoje. Mas existe uma diferença, uma grande diferença. Depois do colapso, Bjartur foi, a pé, viver para uma casa destruída, sem aquecimento, sem privacidade, com a sua jovem filha analfabeta, que morre de uma vulgar doença. A seguir ao colapso do nosso tempo, as pessoas seguem para as suas casa tecnologicamente avançadas e continuam a mandar os seus saudáveis filhos para os colégios.

 

 

 

29
Jan13

O triunfo do islandismo

Pedro Figueiredo

Quando, em Setembro de 2008, o Lehman Brothers faliu e em dois dias foram retirados 150 mil milhões de dólares de fundos de investimento dos Estados Unidos, o mundo susteve a respiração. Era só o princípio do conhecimento público de um colapso que viria a ter dimensão planetária, já que desde 2007 que a crise do subprime tentava sair das catacumbas do sistema financeiro. Apesar de todas as tentativas feitas para estancar a hemorragia, houve um país que foi deixado a sangrar pelo estado lastimável que os fundos tóxicos deixaram a sua economia, até então considerada como um exemplo de sucesso: a Islândia.


A dívida dos três maiores bancos afectados correspondia, à altura, a dez vezes o PIB islandês. A verdadeira dimensão da desgraça deu-se ali. Implodiu a máquina que movia a vida dos islandeses, desde sempre concentrados em actividades do sector primário, mas que com o boom da banca de investimento se tornou numa plataforma de yuppies do século XXI. O desespero foi tal que começaram a incendiar os próprios Range Rovers topo de gama só para poderem ser indemnizados pelas companhias de seguro, já que nem o vizinho lhes podia comprar o carro. E quando falo em vizinho, na Islândia, refiro-me ao país inteiro. Naquela ilha, a ordem alfabética da lista telefónica é pelo nome próprio e não pelos apelidos familiares.


O "dono" do MacDonald's teve de encerrar o seu franchise porque ficava mais barato oferecer whisky aos clientes nos menus do que as simples batatas fritas, que tinha de mandar vir da Alemanha a preços, de repente, de verdadeiros produtos de luxo.


Neste cenário, havia quem duvidasse seriamente do futuro económico e financeiro do país. O FMI entrou com pinças no território - muitas destas histórias foram mesmo contadas pelo enviado especial daquela organização à Islândia - e começou a fazer bem as contas. Com uma desgraça daquelas, o resgate duraria largas décadas.


Naquele ambiente infernal, não foi difícil manterem a cabeça fria pelas baixas temperaturas a que sempre estiveram habituados. Já que estavam entregues à própria sorte, decidiram começar do zero. Perguntar a quem iria sofrer a austeridade, o que devia ser feito. E, em referendo, fizeram uma escolha: tratar primeiro do próprio resgate e só depois o dos bancos. Qual risco epidémico, qual quê. Por Thor, partiram para a blasfémia financeira. Ou como escreveu Halldór Laxness no seu Gente Independente: «Não se deixar eternamente escravizar pelo mesmo ladrão».


O problema é que no meio do turbilhão da banca estavam, entre outros, depositantes ingleses e holandeses que nunca estiveram preocupados com a verdadeira origem dos lucros que geravam os traders islandeses. Podia até ser dinheiro ganho no jogo do bicho como no tráfico de órgãos humanos. As long as the cash still flows...


A notícia de ontem marcou, de alguma forma, a agenda financeira mundial. Como não podia deixar de ser. E se mais notoriedade não teve foi porque, provavelmente, não interessa que a decisão da EFTA seja divulgada, não vá outros países decidirem copiar os maus hábitos islandeses, que apenas beneficiam a própria população em primeiro lugar.


Mas o triunfo do islandismo não se deu, apenas, no plano financeiro. Os islandeses decidiram criar uma nova Constituição. De base popular. Pelas palavras da parlamentar islandesa Birgitta Jónsdóttir, percebe-se o alcance do novo texto: «Acredito que as nossas democracias foram sequestradas por burocratas. Não quero que a nossa nova Constituição seja contagiada pela linguagem deles. O tempo deles acabou e não podem fazer nada para o impedir». Democracia directa. Um palavrão que para muita gente pode custar a entrar nos ouvidos.


Pode especular-se a propósito da singularidade do caso islandês. Que não se consegue replicar em mais nenhum outro lado do mundo. É verdade. O que aconteceu na Islândia foi incomparável. Mas há uma lição do islandismo que se pode tirar e que é aplicável a todo Mundo: é que por mais que nos mostrem e provem (mesmo com números e cálculos matemáticos complexos que só a Goldman Sachs e a JP Morgan conseguem explicar) há apenas uma inevitabilidade conhecida pelo Homem: a morte.

01
Nov12

Os deuses dos outros

boomerangomics
Na Islândia ninguém sabe ao certo quando os vulcões vão entrar em erupção. A relação de amor-ódio entre as placas tectónicas continentais alimenta os sonhos dos ultra-isolacionistas de ambos os lados. A anulação da dívida hipotecária superior a 110% da reavaliação é um desastre à espera de acontecer, a bolha imobiliária resultante do controlo de capitais imposto aquando do colapso da banca islandesa é um tubarão preso num aquário sem manutenção adequada, ursos polares náufragos dão à costa da Islândia, ainda com vestígios de icebergues agarrados às unhas. E depois?

As industrias da criatividade explodiram na sequência da implosão do sector financeiro. A música islandesa, o cinema e a literatura namoram com os mercados. O peixe e outros recursos marinhos são o petróleo islandês. Os sectores das pescas e da energia geotérmica foram nacionalizados após décadas concessionadas a 20 barões do mar, quando a Islândia ainda era o exemplo do sucesso neoliberal.

A ideia é que a riqueza da nação seja a riqueza dos cidadãos, como os fundos do petróleo norueguês, ou timorense. Ah e tal... «É uma rocha gelada ao pé do Círculo Polar Árctico e até a melhor banda islandesa, os FM Belfast, ganha a vida a escrever canções sobre férias à beira-mar em praias das caraíbas, não me lixes.» É um argumento muito frequente e bem fundamentado. É aqui que o islandismo pisca o olho ao realismo mágico. 

O Presidente da Islândia sentiu-se na obrigação moral de convocar um referendo antes hipotecar o futuro do país por várias gerações. A Irlanda e a Espanha também tinham bolhas imobiliárias e sectores financeiros expostos a riscos múltiplos, no entanto, os seus governantes não hesitaram em carregar sobre o exército de contribuíntes, uma responsabilidade para a qual em nada tinham contribuído. Foram pressionados, como a Grécia, sabe-se agora, foi pressionada pela França para anular o referendo em 2011 sob chantagem de revelação da "lista Lagarde" então Ministra das Finanças francesa.
A Islândia tem um longo cadastro de resiliência, primeiro ao Reino da Noruega e mais tarde ao da Dinamarca. A Islândia não constrói estradas ou sequer ciclo-vias em zonas habitadas por elfos e acredita nos seus próprios deuses, mesmo quando finge acreditar nos dos outros. Ser islandista é não deixar que seja o FMI a calcular o multiplicador recessivo do nosso país e depois dizer: Oopss desculpem, enganei-me. Sem indemnizar o empobrecimento da nação, as falências, os postos de trabalho perdidos e vantagem dada à concorrência estrangeira? Fazer sangue para saldar dívidas não era coisa das máfias? Ou foi noutro planeta? 

O Presidente do Município de Reykjavik, Jón Gnarr, humorista, ganhou as eleições depois de fundar o Best Party. O Best Party é o melhor partido, claro, porque defende as cenas cool e opõe-se a tudo o que seja uncool. E para além disso, e da troika, prometeu não cumprir nenhuma das suas promessas eleitorais. A Islândia é o laboratório político com que jamais ousámos sonhar. E foi então que resolvi redigir o Manifesto do Partido Islandista: Artigo 1º (e último) Em nenhumas circunstâncias o dinheiro do contribuinte será usado para resgatar bancos ou outros interesses privados.
Há quem diga que o islandismo é para preguiçosos e caloteiros. Não concordo. Pôr as pessoas antes dos bancos é para humanistas. Ser islandista não é vida fácil. O islandismo está cheio de obstáculos e dos piores: os desconhecidos.  A crescer mais de 3% e com o desemprego a rondar os 5%, pedir a cidadania é uma boa opção. Mais arriscado é confiar nestes austeristas com nomes alemães, que "ai aguentam, aguentam!" que encerremos as nossas contas no BPI. E no entanto, a Islândia é na Terra, não é na Lua.
«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D