Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

11
Fev15

Era assim tão difícil?

Nuno Pires
10
Fev15

Antevisão sobre a herança que o XIX Governo se prepara para deixar

Nuno Pires
02
Fev15

Obras que entram pelos olhos dentro

Nuno Pires

Uma pessoa lê a notícia e fica confusa. E li-a duas vezes.

Então ao que parece estamos perante uma "via de acesso às zonas industriais de Famalicão, Trofa e Maia, onde estão instaladas empresas com forte vocação exportadora". Segundo escreve a Lusa, é "atravessada diariamente por cerca de 30 mil veículos, nomeadamente pesados, com constantes estrangulamentos".

E, ainda de acordo com a mesma notícia, a solução "económica mas eficiente" (??) passa por duplicar e requalificar a estrada nacional, fazer umas rotundas e uma ponte.

Os "30 mil veículos, nomeadamente pesados", que diariamente ali têm que passar para escoar produção industrial veem assim os seus problemas resolvidos. Meia dúzia de rotundas, uns alargamentos e ficamos todos muito felizes.

Felizmente, fomos abençoados com este génio que dá pelo nome de Pedro Passos Coelho e que nos brinda com estas suas soluções "económicas mas eficientes". Um visionário!

Eu confesso que não fui abençoado com o brilhantismo e a inteligência de Pedro Passos Coelho.

Confesso que não consigo perceber como é que uma via com um fluxo diário de 30 mil veículos, para escoamento de produção industrial, não deve ser convertida em autoestrada. Não percebo, lamento.

Pior: li a notícia duas vezes (como referi acima) e não consegui perceber como é que na altura em que os fundos comunitários "privilegiavam as infraestruturas rodoviárias" (foi Pedro quem o disse), a melhor solução (económica e eficiente, para recorrer ao jargão técnico de PPC) não era, precisamente, aquela que foi gizada: a da criação de uma variante com perfil de autoestrada.

Fiquei também sem perceber do que é que Passos Coelho falava quando referiu o "tanto dinheiro" que terá sido gasto nos tempos de "vacas gordas". Ele lá saberá, e eu acho que já temos aqui confusão a mais para tentar abordar apenas num post.

Apesar de não perceber o que raio anda Passos Coelho a dizer, acho que a minha memória está boa. É que eu ainda me lembro de outras soluções assim poupadinhas, em termos de infraestruturas rodoviárias. Para poupar uns trocos, em vez de uma autoestrada fazia-se um itinerário principal, frequentemente com traçados sinuosos para evitar a construção de túneis ou pontes.

Esta "poupança" de uns trocos materializou-se num enorme custo em vidas. E na inevitável decisão (que apenas pecou por tardia) de corrigir o erro e converter alguns dos nossos "IP" em "AE", investindo mais do que aquilo que se teria investido se a decisão inicial tivesse sido, desde logo, a mais... económica? ...eficiente?

Uma outra palavra descreve-o melhor: inteligente.

 

 

05
Mar14

Novidades do ímpeto reformista do XIX Governo

Nuno Pires

Recorte da capa do jornal i de 5 de março de 2014

 

A Reforma Administrativa Territorial Autárquica, para além de possuir um acrónimo que pode suscitar piadas menos próprias, é uma medida que surgiu na sequência do memorando de entendimento acordado em 2011 entre PS, PSD, PP e a Troika e que previa uma efetiva reforma das entidades de administração local, com principal enfoque nos municípios e nas freguesias.

Contando Portugal então com 308 municípios e 4.259 freguesias, pretendia-se com esta Reforma, de acordo com o referido memorando, uma reorganização e redução do número destas entidades, promovendo assim maior eficiência, nomeadamente através da eliminação de eventuais redundâncias na prestação de serviços públicos.

Os prazos associados a esta Reforma foram também definidos no memorando: Julho de 2012 para a conclusão, ato eleitoral autárquico de 2013 para a entrada em vigor.

 

Mas a verdade é que a dita Reforma, nos termos em que foi proposta e acordada pelos subscritores do referido memorando, nunca chegou a ver a luz do dia.

 

 

11
Abr13

Impulsos erráticos

Nuno Pires

 

O atual Governo prossegue o seu percurso titubeante, com um novo e rocambolesco episódio a cada dia que passa.

 

Ontem, na sequência de um despacho revanchista de Vítor Gaspar (que, muito sinteticamente, pretende congelar o Estado e asfixiar todos aqueles que legitimamente usufruem da coisa pública), foi noticiado, pela manhã, que todas as ações de formação e estágios profissionais estavam suspensos e, a par, uma das medidas mais "emblemáticas" do ainda ministro Miguel Relvas, o Impulso Jovem.

 

Ora, qualquer pessoa que tivesse lido o famigerado despacho teria rapidamente chegado à conclusão de que a realização de novas ações de formação ou novos estágios profissionais por parte do IEFP, fosse no âmbito do Impulso Jovem ou não, se encontra impedida até à sua aprovação pelo recém-empossado líder supremo do Estado, Vítor Gaspar.

 

 

05
Abr13

Subsídio para a reposição da normalidade constitucional

André Fernandes Nobre

Não é a Constituição de República Portuguesa que tem de se submeter às políticas de um Governo ou a quadros de assistência financeira ou a arranjinhos de oportunidade: são os políticos que têm de fazer Política e descobrir, dentro do quadro e ordem constitucionais, as soluções que podem aplicar para obter os resultados que pretendem.

 

Bem hajas, Tribunal Constitucional.

12
Mar13

Depois de Portas ter inaugurado um ginásio na Índia...

Nuno Pires

...é agora a vez do Álvaro ir à Colômbia inaugurar um supermercado.

 

(clique para ampliar)

 

Com a economia nacional numa situação cada vez mais tremida, com a divulgação diária de diversas "luzes vermelhas" num túnel descendente que parece não ter fim (aqui, aqui, aqui... apenas para mencionar os últimos dias) e com o desemprego a disparar para valores inéditos em Portugal, não deixa de ser - como dizê-lo - caricato constatar que o (super-)Ministro da Economia e do Emprego não deixou de encaixar na sua agenda uma ida até à Colômbia para inaugurar um supermercado de uma cadeia de distribuição cuja sede fiscal se localiza na Holanda.

 

Já agora, a direita "liberal" que tanto repete a ladainha da libertação da iniciativa privada das amarras do Estado não tem nada a dizer sobre esta "prioridade governativa" de Álvaro Santos Pereira?

 

(Imagem: recorte da edição de hoje do Diário Económico)

08
Mar13

Darwin não percebia nada disto

Nuno Pires

 

A julgar por aquilo que vou lendo e ouvindo nas notícias de hoje, parece que o atual governo optou por deixar que todo um setor se espatifasse, para depois lhe atirar dinheiro para cima, com um pacote de 50 medidas que envolve "milhares de milhões" de euros. É isto, não é?

 

Em certa medida estas piruetas já não são novidade, mas, mais uma vez, constato que algumas propostas da oposição (a mesma que os malabaristas de serviço dizem não ter alternativas) são adaptadas e lançadas pelo atual Governo, se bem que com um inacreditável atraso, que neste caso se revelou uma verdadeira tragédia para trabalhadores, empresas e demais cadeia de valor do setor da construção.

 

Se calhar isto enquadra-se na bizarra definição de "seleção natural" com que Passos Coelho nos presenteou recentemente... E que este Governo vai agora tentar inverter com recurso a milhares de milhões de euros. Não faz sentido? Pois, já é habitual...

 

(Imagem: recorte da capa do Jornal de Notícias de hoje)

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D