Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

18
Nov13

É a desigualdade, estúpido!

Nuno Oliveira

O Cláudio já aqui referiu como não está de todo estabelecida qualquer relação entre a actualização do salário mínimo e o desemprego. Quem acena esse fantasma tenta apoiar a sua tese num empirismo em que uma empresa luta com dificuldade para sobreviver e o aumento do salário mínimo levaria a empresa a fechar portas. É curioso como a direita tende a lidar tão bem com as insolvências como regeneração da economia excepto se se dever ao salário mínimo.

 

João César das Neves contesta a subida do salário mínimo. Diz ser favorável a uma subida gradual (e mais indicativa do que impostiva) e que esta foi bastante significativa nos anos recentes. Contudo, para quem gosta de avaliar os custos relativos do trabalho, poderia preocupar-se em fazer uma comparação de salários mínimos, por exemplo. Aí, porventura, poderíamos todos concordar que pode ainda subir mais porque em termos relativos continuamos com um salário mínimo muito baixo:

A razão pela qual é absolutamente imperiosa uma subida do salário mínimo é porque permite reduzir a pobreza entre os trabalhadores, permite reduzir as desigualdades. Um dos primeiros pontos na discussão com César das Neves seria desqualificá-lo como ele pretende fazer com todos os que defendem teses contrárias às deles.

 

Para César das Neves todos os que dele discordam são porta-vozes de interesses mais ou menos obscuros. Ora, sendo o aumento salário uma (re)distribuição de rendimentos de capital e de rendimentos de trabalhadores qualficados para os menos qualificados percebe-se que alguns dos que surgem a gritar na comunicação social se mostrem muito incomodados. Aparecem a bater com a mão no peito como se pretendessem defender os pobres quando estão essencialmente a defender de forma mesquinha a sua posição relativa. (O vocabulário foi propositadamente adaptado ao estilo troglodita.)

 

A desigualdade não merece da parte do César das Neves uma palavra séria. Porque razão? Porque não é um problema? Este relatório de 2012 da OCDE apresenta Portugal como um dos países com as desigualdades mais obscenas entre os países analisados.

 César das Neves aparece indignado com a subida enorme do salário mínimo. Com os efeitos que a sua dinâmica possa ter nos custos do "factor trabalho". É estranho, contudo, que outras subidas não o deixem igualmente indignado. Por exemplo no mesmo relatório podemos avaliar a progressão da fracção de rendimento que os mais bem pagos (1%) recebem:

Seria interessante perceber o que César das Neves tem a dizer sobre esta progressão. Seria muito interessante. Mas para que a conversa seja devidamente colocada nos termos em que César das Neves a coloca, deveria comentar apenas depois de dizer se confirma que pertence ao 1% da população mais bem pago.

 

17
Nov13

César das Neves 2016: ei-lo o candidato da direita às próximas Presidenciais.

Cláudio Carvalho

César das Neves, em estilo senador da república (?!), depois desta entrevista «subir salário mínimo é estragar a vida aos pobres», "arrisca-se" mesmo a ser o candidato da direita às próximas eleições presidenciais de 2016. Para já demonstra reunir, com distinção, os atributos todos.

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D