Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Segundo John Rawls (numa versão muito simplificada) indivíduos, concebidos como racionais e razoáveis, usando o "véu de ignorância" - isto é, desconhecendo o seu interesse específico, a sua origem social, a pertença de classe ou de partido - chegariam a um entendimento comum do que é justo.

 

Deste modo, sugiro que face à problemática constituição de novo governo se invertam os papéis: o PS ganhou com maioria relativa, mas o PSD e CDS, que foram a votos separados, alcançam juntos a maioria parlamentar. Neste cenário decerto que se iam ouvir muitas vozes de personalidades com ar de estadista a reclamar por um governo responsável e estável, que a escolha dos portugueses havia sido clara e que consistia num governo de direita. Do outro lado, socialistas diriam, e igualmente com razão, que tinham acabado de ganhar as eleições e tinham legitimidade para governar, mesmo em minoria.

 

Após tantos anos de menosprezo da Assembleia da República é natural que seja difícil acreditar que o Governo emana desta e não dos votos directos dos portugueses - nas legislativas, convém relembrar, o voto é para a constituição da AR e não para o governo.

 

Deste modo, caso Passos Coelho conclua que não consegue reunir apoio suficiente no Parlamento, que ao que tudo indica terá que incluir o PS, é natural e justo que o PS possa formar governo com apoio do PCP e do BE. A grande questão é perceber até que ponto será possível alcançar aqui acordo, designadamente se o programa Centeno é mais próximo da PAF ou do BE e do PCP.

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

De Sam a 07.10.2015 às 14:41

Para quem gosta de redes sociais e quer ganhar uns € extra inscrevam-se na Tsu! É só por convite!
Deixo aqui o link para os interessados: https://www.tsu.co/Samgom

De Jaime Santos a 07.10.2015 às 16:23

O problema é justamente esse, o da convergência da Esquerda num programa comum, em que todos se revejam, que não é certamente o programa de Centeno, nem a renegociação da dívida com ou sem saída do Euro de BE e PCP. Esta convergência faz-se sentando as pessoas à mesma mesa e fazendo-as partir pedra durante meses ou anos. É uma excelente altura para começar, porque já se viu que a Maioria Absoluta de um só Partido à Esquerda muito dificilmente será repetida (ou à Direita, mas aí o PSD prepara-se para engolir o CDS).

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.

  • Daniel Silva

    Sim, a tendencia é sempre a mesma. O aumento salar...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset