Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



12
Mai

Sabotar porque sim

por João Martins

Na passada quinta-feira, dia 7 de maio, Sampaio da Nóvoa recebeu o título de Doutor Honoris Causa da Universidade do Algarve, numa cerimónia realizada no grande auditório de Gambelas. No discurso que fez, Sampaio da Nóvoa agradeceu a distinção, tendo depois feito críticas ao estado do ensino em Portugal. E até aqui tudo bem e tudo normal.

O problema foi o auditório. Esteve longe de estar cheio - e em Faro é relativamente fácil encher um auditório para uma ocasião como esta -, não tendo sido por falta de divulgação que isto sucedeu. O que se passou foi que os orgãos públicos e pessoas ligadas ao munícipio não fizeram questão de comparecer ao evento, tendo tentado sabotar o brilhantismo da entrega de um doutoramento honoris causa da Universidade da região. E porquê? Acho que já adivinharam.

Parece que os iluminados da zona, por acharem que aquilo não passava de uma ação de propaganda de um candidato presidencial, fizeram questão de desprezar o evento, o laureado e a instituição do ensino superior que o condecorou. Eu sei que é difícil para algumas pessoas distinguir entre eventos partidários e da cidade, especialmente em Faro, mas provavelmente teria sido interessante ver a Câmara de Faro a tratar bem o convidado da sua universidade, e também investigar e perceber que este foi um processo demorado e que foi decidido bem antes de Sampaio da Nóvoa anunciar a sua candidatura.

Sampaio da Nóvoa não merecia este tratamento e a Universidade do Algarve também não.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Sitemeter



Comentários recentes

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...

  • J P C

    Se é isso o que o meu comentário lhe faz lembrar, ...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset