Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

15
Jul14

Ricardo Salgado já foi preso?

Sérgio Lavos

Ando há uns dias a fazer esta pergunta no Twitter e, até agora, nada. Nada, no sentido em que ninguém me tem a dizer aquilo que quero ler: "sim, Ricardo Salgado já foi preso". E nada, porque sim, Ricardo Salgado ainda não foi preso. Nem se espera que o seja. Aliás, se há coisa que se tornou normal no país é a impunidade de que gozam os grandes crimes de colarinho branco. Até há relativamente pouco tempo, havia quem ainda se incomodasse com este tipo de crimes, e havia suspeitos, indiciados e presos. Mas como a experiência tentada com o gangue do BPN redundou em nada (nada, quer dizer, nada mesmo: Dias Loureiro, Oliveira e Costa, até o suspeito homicida Duarte Lima, todos continuam por aí, gozando os frutos dos nossos impostos, os que foram enterrados no buraco laranja), a polícia e os magistrados parecem ter desistido de investigar o que quer que seja.

Parece-me sensato. Investigar possíveis crimes da família Espírito Santo é inútil. Inútil e um gasto de dinheiro que o país, em tempo de crise, bem pode dispensar. Há muito por investigar, muito por julgar, tanto ladrão de supermercado ou pequeno empresário fugindo aos impostos à solta, à mão de semear. Investigar fraudes bancárias, off-shores, crimes que lesam o país em milhares de milhão de euros: uma chatice, redundante, estéril e vazia. 

Claro que há quem recorde o exemplo de outros países. Há quem se atreva a lembrar os cento e cinquenta anos de prisão a que foi condenado Bernard Madoff ou os outros banqueiros e especuladores norte-americanos presos, julgados e condenados. Minudências. Pormenores. Toda a gente sabe que os EUA são uma tenebrosa ditadura que persegue os empreendedores e castiga a livre iniciativa. Um país que queira realmente progredir, que queira premiar a inovação e a criatividade empresarial, não deve incomodar quem cria riqueza e empregos.

Ricardo Salgado, o homem que em tempos disse que os desempregados preferem receber subsídios a trabalhar, tem razão de muitas maneiras, todas novas e absolutamente brilhantes. E ainda bem que o país desistiu de o perseguir, e que o grande Governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, (ao contrário do malandro do Constâncio) está a fazer tudo para que a família continue imune à infâmia que por aí é publicada nos jornais (como alguém já disse, não há qualquer problema no BES, é tudo uma questão de comunicação). 

No que me diz respeito, não me importo de pagar ainda mais impostos se me garantirem que grandes homens como Oliveira e Costa, Dias Loureiro, João Rendeiro, Jardim Gonçalves, não voltarão a ser incomodados. Com Salgado, esta nova via de progresso parece estar a ser seguida. Deve ser a isto que se refere o nosso primeiro-ministro quando fala do novo país que está a nascer. 

17 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D