Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Um professor universitário dá a entrevista como candidato presidencial na faculdade em que dá aulas. O reitor (honorário) da mesma universidade dá a mesma entrevista num estúdio de televisão.

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

De Jaime Santos a 09.12.2015 às 22:11

Porque eu é que sou o Professor Catedrático, Analista/Entertainer/Político Encapotado televisivo, Líder Falhado do PSD, Candidato Falhado, Taxista e Mergulhador à Câmara de Lisboa, Ministro Intriguista de Pinto Balsemão, Jornalista Delator no Antigo Regime, Afilhado do Sr. Prof. Dr. Presidente do Conselho, etc, etc, etc. Estou a ser mauzinho, Marcelo não é um Homem sem qualidades. Tem é defeitos a mais para ser Presidente da República. Esperemos que eles venham a lume durante a Campanha, um PR não é um corta-fitas cuja atividade principal consiste em aparecer com os netinhos nas revistas sociais...

De Jaime Santos a 09.12.2015 às 22:28

E já agora, para quem não conheça, aqui ficam os links relativos aos episódios mais antigos que refiro acima:
- A opinião pouco abonatória de Pinto Balsemão: http://ionline.pt/400912?source=social
- A carta que Marcelo escreveu ao seu Padrinho (então Presidente do Conselho) sobre o Congresso da Oposição em Aveiro: http://ponteeuropa.blogspot.pt/2015/11/carta-de-um-delator-marcelo-rebelo-de.html

De comuna a 17.12.2015 às 21:14

marcelo rebelo de sousa não era afilhado do outo marcelo. nem para comuna tens jeito ignorante.

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.

  • Daniel Silva

    Sim, a tendencia é sempre a mesma. O aumento salar...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset