Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Há para aí uns quantos que vêm nas declarações de António José Seguro, no rescaldo dos resultados das primárias, um sinal de decência na derrota. Até pode ser que sim. O problema foi a decência que lhe faltou desde o dia em que António Costa tomou uma decisão política no contexto político do pós eleições europeias. Fulanizar combates políticos é o primeiro passo para não se falar de ideias, e foi isso que aconteceu.

 

Não, Seguro não foi gracioso nem decente no momento da derrota. Foi apenas hipócrita e calculista. Quis armar uma mise en scène para as câmaras, um teatrinho de homem despojado do poder, mas de forma a tornar viável o seu futuro. Mais uma vez, uma falácia: ele não se despojou, teve de ser retirado à força.

 

O que Seguro nunca entendeu - ou não quis entender - é que não foi um ataque pessoal, foi uma atitude política para com um problema político por ele criado. Apesar de se deparar com o Governo mais selvagem de que há memória em democracia, o PS de Seguro revelou-se incapaz de se destacar nas sondagens e nas eleições como uma alternativa viável. Qualquer líder maduro teria entendido que a solução para o impasse político criado por Costa era uma ferramenta política: convocar um Congresso. Não o quis. Preferiu arrastar esta situação durante 4 meses, meses cronologicamente decisivos para a oposição ao Governo, porque em fase de preparação do OE 2015. Encetou uma descerebelada fuga para a frente chamada "eleições primárias", achando que com isso tirava um coelho da cartola e que convenciria o povo de aquém e além mar de que se trata de um Homem de Estado, um politico capaz da liderança que em momento algum demonstrou.

 

Depois das "cortes de Lisboa", depois da "separação da política e dos negócios", depois do "PS dos interesses" do qual ele diz nunca ter feito parte, depois de se ter "anulado" durante 3 anos, depois das "80 medidas" indigentes a pedir meças ao guião da reforma do Estado de Portas, depois do vídeo Calimero do corte de cravo, depois do "fica-te mal", depois da "janela do Município", só dá para concluir: quem com ferrinhos mata, com ferrinhos morre.

 

Um best of de António José Seguro aqui, aqui e aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Sitemeter



Comentários recentes

  • João Rosa

    Este post já tem algum tempo mas desde que se inic...

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset