Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



23
Fev

Portugal ao espelho

por Sérgio Lavos

Os congressos - sobretudo os do PSD - são sempre momentos de suspensão da realidade, encenações montadas para impressionar papalvos e "unir o partido", isto é, dramatizações auto-celebratórias e propagandísticas que contam com o deslumbramento acrítico do media, as televisões encabeçando o desfile mediático com horas e horas de discursos e de comentários que se limitam a repetir o que acabou de ser dito. Os partidos organizam estes fins-de-semana alucinatórios para fora, isto é, sabendo que as câmaras estão a registar o acontecimento. Os congressos mostram o instante em que os políticos mais afastados estão da verdade e da realidade, ainda que as encenem com toda a convicção e talento nas artes dramáticas.  

Neste campo, o da montagem da propaganda, este Governo tem sido imbatível. A máquina de manipulação montada pelo CDS e pelo PSD é fenomenal na sua dimensão - são dezenas de assessores e adjuntos no Governo, mais os manobradores dos partidos  e as agências de comunicação - e de uma eficácia a toda a prova. Quase três anos de austeridade e de empobrecimento acelerado de milhões de portugueses depois, a verdade é que o Governo pode dar-se ao luxo de agitar a bandeira do sucesso sem que a opinião pública verdadeiramente questione o que está a ser feito. 

Os jornalistas e comentadores vão atrás do brilho das luzes. O congresso do PSD começou com um discurso errático de Passos Coelho que teve o mérito de trazer para o centro do comentário a questão da ideologia. Mas é evidente que o PSD não é, nem nunca foi, um partido que perdesse muito tempo com questões ideológicas - ao contrário do que afirma Pacheco Pereira. Mais do que ser um partido que conjuga várias correntes ideológicas, o PSD é um partido dos interesses, puramente pragmático. A ideologia serve apenas os líderes na medida em que pode ser instrumento de combate partidário antes de se alçarem ao poder. Lá chegados, essa ideologia é rapidamente esquecida e passa a contar o que verdadeiramente interessa: a distribuição de lugares a boys do partido, desde os ministérios até aos organismos públicos, passando pelas empresas públicas e outras dependentes do Estado. Neste Governo tem sido bastante evidente este processo de parasitismo dos lugares no Estado. A maioria dos delegados presentes no Congresso está ali para agradecer a Passos Coelho o que este fez por eles. E contam com Passos, sabendo que, neste momento, ele é a maior garantia de que o PSD se manterá no poder, distribuindo lugares e prebendas. A ida de Marcelo Rebelo de Sousa representou o cúmulo desta visão pragmática da política. Ninguém acredita que ele tenha decidido aparecer por se ter emociando ao ver o acontecimento nas TV's. Ele foi ao Congresso porque quer ser Presidente da República, e o Congresso foi o lugar e altura certos para marcar posição junto das bases, sabendo que Passos Coelho não contava com ele para a candidatura. Marcelo, Marques Mendes, Morais Sarmento, Santana Lopes, podem semanalmente criticar o Governo, mas quando toca a reunir, quando chegamos a eleições e começa a ser premente a perpetuação no poder, eles dizem presente. As excepções - Manuela Ferreira Leite, Pacheco Pereira, Rui Rio - acabam por ser cilindradas pelo Congresso e também pelos media - os comentadores são bastante mais críticos em relação a quem preserva a sua independência e coerência do que em relação aos oportunistas pragmáticos, os cata-ventos que aparecem apenas em função do seu próprio interesse.

O PSD não é um partido neoliberal, é verdade. Mas também não é social-democrata. É uma amálgama de interesses, um caldeirão de autarcas e de militantes de base que dependem do favor do líder para continuarem a fazer a sua vidinha. O PSD é o partido de Miguel Relvas, que voltou rapidamente pela mão de Passos Coelho para dirigir a agremiação nos próximos desafios eleitorais. O PSD é o partido que, ao mesmo tempo que mantém como militantes Dias Loureiro e Oliveira e Costa, expulsa críticos e ameaça expulsar outros por delito de opinião - como sugeriu ontem Santana Lopes, falando de Pacheco Pereira. É o partido do BPN e da Tecnoforma, de Arnaut e dos milhares de boys que pululam nos ministérios. Podem mudar os líderes, mas a essência permanece inalterada. E é o partido dos portugueses, como não se cansam de afirmar. Os portugueses que aceitam a corrupção e o jogo de interesses passivamente, sem grandes ondas. Um partido que é o espelho dos nossos piores defeitos. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


8 comentários

De Antónimo a 23.02.2014 às 15:28

«A máquina de manipulação montada pelo CDS e pelo PSD é fenomenal na sua dimensão - são dezenas de assessores e adjuntos no Governo, mais os manobradores dos partidos e as agências de comunicação»

E jornalistas e arraçados: António Costa, Luís Rosa, Paulo Baldaia, David Dinis, Paulo Pinto Mascarenhas, João Miguel Tavares, Ricardo Costa, Henrique Monteiro, Ricardo Jorge Pinto.

De A.R.A a 24.02.2014 às 16:15

ANTONIMO

Meu caro, então essa gente não tem tambem que fazer pela vidinha?

Como dizem os "coisos": Money talks, bullshit walks!

Hoje em dia, melhor do que ser politico "eleito" é ser comentadeiro "posto".

Cumprimentos
A.R.A
ps- Faltou dizer de sua justiça no "outro" post.

De Joe Strummer a 23.02.2014 às 15:32


O psd é a união nacional. isso foi muito bem dito naquela timeline que figurava num painel interactivo. Porque é q temos q ser sempre tão simpaticos com "eles" quando nos cospem todos os dias na cara?
A imprensa não se deixa levar por isto ou por aquilo, a imprensa é o psd. Com raras excepções vivemos num país de informação condicionada. E não me refiro só aos opinadores, refiro-me ao controlo editorial que vem da Lusa e pelo q passa pelas montagens de vergonhosas peças de video feitas pelas estações de TV. Mesmo nos opositores mais radicais ninguem se refere a esta vergonha. O PPereira aflora este tema mas superficialmente.

Junte-se a isto o facto de haver um Bloco BE/PCP q julga como o Governo q não existe alternativa a este caminho unico (Sim, a versão dos vossos argumentos do chumbo do PEC 4 são esses seus tarados) ao contrario dos outros países europeus. A direita sabe q assim pode voltar ao pré-25 Abril onde foram felizes, a extrema esquerda tambem porque foi onde sempre foi feliz. Na luta heoica contra o fascismo e na clandestinidade. Duas cobardias democraticas e um país adiado.

De A.R.A a 24.02.2014 às 16:31

JOE STRUMMAN

Fico abesbilico com a sua teoria! É que ... parece que é parvo mas ... é mesmo!

Se no manipular informação inclui o "manosear" de forma indevida gravadores de jornalistas, então o PS dá cartas. PS e PSD/CDS é tudo farinha do mesmo saco, até prova em contrario, o que os socristas demonstraram foi o que ha muito se constatava, o nome dão condiz com a ideia politica. Existe no PS uma ideia errada de Socialismo pois é uma palavra que rima em demasia com xuxalismo para que uma importante franja do partido ainda se reveja na suas fileiras.

Joe, é um prazer ler o que escreve ... um portento ao nivel dos Gato Fedorento! O Joe é mesmo assim ou ficou assim?

Contudo, continue ... hilariante!
A.R.A

De Joe Strummer a 24.02.2014 às 16:59


Só para avisar que entre tiros, risos, impressões, subjectividades, e a habitual oca arrogância ainda não apresentou um unico argumento.

De A.R.A a 24.02.2014 às 18:28

JOE STRUMMAN

Agora a serio ... como é que quer que lhe apresente qualquer argumento valido perante os epitetos que tão generosamente me presenteou de forma gratuita? Eu não sei em que mundo vive o Joe mas se quiser ter uma conversa minimamente inteligivel com alguem existe uma coisa que se chama respeito.

Ah! E não se esqueça que a humildade não é aquela coisa que cresce nas paredes, portanto, recomendo que saia do seu pedestal por si inventado e verifique que existe mundo para além do seu umbigo.

Quer contrapor argumentos com argumentos, seja humilde e desse ao respeito ... pois gostaria muito de tentar compreende-lo mas, enquanto assim não for, sempre dá jeito e faz bem a saude le-lo ... olha, lá estou eu outra vez, quer o melhor exemplo de um xuxalista? Jose Lelo.

Mas ainda bem que me avisou porque nós, os comunas, senão nos avisarem, não percebemos bem a primeira!

A.R.A

De Joe Strummer a 24.02.2014 às 19:40


É Strummer...e... lamento informá-lo mas ainda não foi desta. Só generalidades
e gratuitidades.

De A.R.A a 25.02.2014 às 13:28

JOE STRUMMER

Sinceramente não o entendo. A sua versão dos PEC'S é desmentida pela relação entre Socrates e o Teixeira dos Santos e, tambem, pelo facto dos mesmos PEC'S até ao 3º terem tido a concordancia do PSD. Quer mais argumentos? Lamento mas não tenho a sua "imaginação" para alanvancar teorias que só o Joe percebe.

Portanto, se quiser argumentar acerca do que escrevi acima, tudo bem, agora se quer fazer desenhos e colorir coisas, lamento mas já tenho 2 em casa que me preenchem essa lacuna.

Tambem eu tenho uma teoria para o Freitas do Amaral, Jose Lelo e de Ricardo Rodrigues ... mas se calhar era melhor saber o que tem a "argumentar" com o que acima escrevi.

Caso não haja resposta da sua parte ... ficamos conversados, agora e para o futuro porque daqui não leva xuxa que o valha (não sei se já tinha reparado)!
A.R.A

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • João Rosa

    Este post já tem algum tempo mas desde que se inic...

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset