Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



04
Mar

Passos em volta

por CRG

Eu tenho um amigo (neste caso é mesmo amigo e não aquele recurso manhoso para se falar da própria experiência) que durante alguns anos como trabalhador independente não procedeu ao pagamento das contribuições à Segurança Social. O dinheiro não abundava por isso tomou a opção de não pagar, sem que alguma vez tenha deixado de ter consciência da sua falha, tanto é que durante esses anos uma das suas resoluções de fim de ano era a liquidação dessa dívida. Entretanto arranjou um emprego com contrato de trabalho o que lhe permitiu alcançar um acordo de regularização da sua situação com a Segurança Social, que a custo tem vindo a cumprir.

 

Serve este pequeno intróito para explicar que o não pagamento das contribuições à Segurança Social não é socialmente aceitável, como alguns nos querem fazer acreditar, mas também não é uma falha hedionda e irrecuperável de carácter. Não considero o meu amigo menos ético por causa daquele incumprimento, nem acho que isso o impossibilite, caso ele algum dia quisesse, de exercer algum cargo público.

 

Ora, no caso do Primeiro-Ministro existe uma diferença crucial que este e o seus defensores não entendem ou preferem ignorar: o contexto político e as responsabilidades que daí advêm; não é um problema pessoal, mas politico, uma vez que a sua autoridade como tal está ferida de morte.

 

Passos Coelho apresentou-se às eleições com promessas de fim da austeridade:  não era necessário nem cortes de salários nem aumento de impostos, que tudo se iria resolver simplesmente com a eliminação das gorduras do Estado. 

 

Para sustentar politicamente o incumprimento dessas promessas, o Primeiro-Ministro criou uma imagem de homem honrado, uma "raça de homem" que cumpre, custe o que custar, com as suas obrigações, austero, que vive de acordo com as suas possibilidades, que nem às filhas oferece prendas na época natalícia. 

 

Ao mesmo tempo, o seu governo desceu o limite a partir do qual as dívidas à Segurança Social se tornam fraude, o que caso das pessoas singulares pode significar uma pena de prisão até três anos ou uma multa até 180 mil euros;  dificultou o acesso e diminuiu o valor dos vários apoios prestados pela Segurança Social; e colocou em causa o próprio sistema colocando dúvidas sobre a sua sustentabilidade.

 

Esta incongruência entre o discurso e actuação política e o comportamento de Passos Coelho - o não pagamento durante cinco anos das contribuições à Segurança Social e a manutenção dessa situação após a notificação de 2012 - levaria num país qualquer à sua demissão.

 

Por outro lado, num país qualquer Crato, Maria Luís Albuquerque, Paula Teixeira da Cruz e Machete também já não fariam parte de um governo.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Sitemeter



Comentários recentes

  • João Rosa

    Este post já tem algum tempo mas desde que se inic...

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset