Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



28
Jan

 

“to put an end to great aggregations of capital because of the helplessness of the individual before them.”

Juiz Learned Hand sobre o objectivo do Antitrust Act de 1890

 

A última edição da "Foreign Affairs" é dedicada ao tema da desigualdade: as suas causas, importância e o que pode ser feito. Com efeito, a desigualdade vai estar no centro da luta política que irá definir esta geração.

 

E pese embora alguns tentarem fugir ao assunto com o fundamento de que a desigualdade tem vindo a diminuir a nível mundial - efeitos do aumento do nível de vida na China e na Índia - é unanimemente aceite que esta tem vindo a aumentar dentro dos países: "the gap between average Americans and average Chinese is being partly replaced by larger gaps between rich and poor Americans and between rich and poor Chinese". Se dúvidas houvesse é bom relembrar que em 1965 a remuneração dos CEO das 350 maiores empresas americanas era 20 vezes mais alta do que a remuneração do trabalhador médio; em 1989 era 58 vezes mais alta; e em 2012 era 273 vezes mais alta (por ex: se o trabalhador médio recebe mil euros o CEO aufere 273 mil euros).

 

No entanto, se por um lado a sua existência é consensual, por outro lado, a resposta ao problema tem sido de uma certa passividade para a sua mitigação (desigualdade existirá sempre, e deve existir até um certo grau, a questão é saber qual o grau de desigualdade sustentável num sistema democrático). Um certo encolher de ambros alimentado pelo pensamento "não ha alternativa".

 

Não é preciso ser cínico para perceber de onde surge este sentimento de impotência, basta ver como são taxadas as grandes multinacionais em relação aos restantes contribuintes. Um exemplo disto é o recente acordo que o Governo Inglês fez com a Google, referente aos últimos 20 anos, segundo o qual esta irá pagar uma taxa de imposto a rondar os 3% em vez dos normais 20%. Privilégio claro de uma multinacional face às empresas mais pequenas, o que coloca em risco a própria base do sistema capitalista - a livre concorrência e a igualdade perante a lei - e, reforça a ideia nefasta de competição fiscal entre Estados. Ao mesmo tempo que se assiste a este tratamento preferencial das grandes empresas impera a obsessão dos Governos com défices orçamentais, que, por sua vez, fundamenta cortes no Estado Social, aumento de impostos sobre o consumo e de rendimento de trabalho porque, dizem, não há dinheiro. Resultado: agravamento da desigualdade. 

 

Tais diferenças de tratamento são politicamente indefensáveis, pelo que os governos se escudam na globalização, alegando que esta os impede de agir de outra forma; mas como escreveu Ben Okri:

 

They say there is only one way for politics.
That it looks with hard eyes at the hard world
And shapes it with a ruler’s edge,
Measuring what is possible against
Acclaim, support, and votes.


They say there is only one way to dream
For the people, to give them not what they need
But food for their fears.

(...)

Can we still seek the lost angels
Of our better natures?
Can we still wish and will
For poverty’s death and a newer way
To undo war, and find peace in the labyrinth
Of the Middle East, and prosperity
In Africa as the true way
To end the feared tide of immigration?

 

We dream of a new politics
That will renew the world
Under their weary suspicious gaze.
There’s always a new way,
A better way that’s not been tried before.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

De Joe Strummer a 30.01.2016 às 14:46

Excelente post.
No campo politico as respostas tardam em surgir, ou nem tanto, nos EUA a candidatura de Bernie Sanders está a ganhar dinâmica face a Clinton. A presença do marido na campanha e um erro mas demonstra o pânico instalado na candidatura. Em Inglaterra, Jeremy Corbyn ganhou o Labour, e sendo ameaçado todas as semanas de cisões e cataclismos, la se vai aguentando. 70's the new 40's.
A questão geracional não é por acaso. São baby boomers, como o Jumping Jack Flash :

"I was born in a cross-fire hurricane
And I howled at my ma in the driving rain,"( referência aos ataques aéreos alemães em Inglaterra )


tem uma inscricao genetica de uma promessa de mundo cheio de optimismo construído após a devastacao de uma Guerra mais explicita do que a actual mas não menos letal.

Go Bernie go!

De Joe Strummer a 30.01.2016 às 15:53

Outra questão interessante é a predominancia dos Foreign Affairs sobre os Internal Affairs, ou seja, a globalização (cujo principal caixeiro-viajante foi Mr. Clinton, não Willy Loman) inverteu o sentido da soberania. Como se ve hoje com o orçamento portugues, supervisionado por Bruxelas. Tambem nao admira a Google tenha predominancia sobre os habitantes de qualquer país. O poder, o verdadeiro poder e um assunto exterior a qqer estado democrático(?). A democracia é uma ilusão que alimenta a industria dos media e interessa a aspirers sociais.

De CRG a 01.02.2016 às 11:00

É interessante perceber como a cultura propicia a desigualdade e isso também foi abordado nos artigos da revista: como após a devastação da 2º Guerra havia uma ideia forte de responsabilidade social, de pertença a uma sociedade. E só assim foi possível o nascimento do espírito de 1945 - http://www.theguardian.com/film/2013/mar/02/spirit-45-ken-loach-nhs-history

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.

  • Daniel Silva

    Sim, a tendencia é sempre a mesma. O aumento salar...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset