Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



26
Dez

Na excelente reportagem do "Público" soube-se que os números avançados por Mota Soares relativamente ao proposto tecto às prestações sociais não têm qualquer correspondência com a realidade. 

 

Partindo do pressuposto de que o Ministro da Segurança Social tinha conhecimento destes números - recuso-me a pensar o contrário - e que portanto sabia de antemão que nunca teria aplicação pratica, existem duas hipóteses para ter anunciado essa medida.

 

1) Foi um mero anúncio demagógico a fim de capitalizar a insatisfação e o egoísmo típico de uma altura de profunda crise, alimentando a desconfiança e a falta de solidariedade entre cidadãos.

 

2) o primeiro passo numa estratégia de longo prazo: primeiro criar um tecto, depois futuramente reduzir o tecto alegando restrições orçamentais, englobando todo o tipo de prestações sociais.

 

Infelizmente, nenhuma destas hipóteses é benigna.

 

Historicamente alguma direita sempre teve esta preocupação com o"risco moral": o facto de alguém auferir determinados valores, quer sejam não contributivas ou decorrentes de retribuição do trabalho - corresponder a um desincentivo ao trabalho ou a mais trabalho. 

 

O que não parece ter entendido é que a grande maioria das pessoas não partilham uma visão estritamente capitalista do trabalho. Estes não procuram receber o máximo rendimento e trabalhar o mínimo possível; tentam auferir aquilo que lhes permite ter uma vida digna, até melhorar como pessoas; têm brio e gosto no que fazem; em suma estão ocupados com a vida, na qual o emprego é uma vertente fulcral e indissociável, e não com uma simples transacção económica de custos e benefícios.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Sitemeter



Comentários recentes

  • Jaime Santos

    Eu não entendi o comentário do Diogo Moreira nesse...

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset