Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

28
Fev15

O Costa bom e o Costa mau

MCF

Para quem, independentemente da sua futura opção de voto, acha que o país precisa absolutamente de discutir alternativas de futuro que não passem pelo repetir do mantra da austeridade – e não é preciso combater essa linha política com os seus desastrosos efeitos sociais e económicos, basta lembrar que não cumpre o objectivo que supostamente teria: sanear as contas públicas – é importante saber onde pára o PS.

Ao contrário do que tem acontecido noutros Países, como Espanha e Grécia, a esquerda tradicional em Portugal não está ameaçada de extinção. As razões para isso são várias, desde logo os nossos brandos costumes. A agitação social foi, em Portugal, uma fracção do que aconteceu na Grécia ou em Espanha. O PS não sofreu as ondas de choque que mataram o PASOK e feriram profundamente o PSOE.

António Costa ganhou a liderança do PS nas costas da ideia de que, com o anterior líder, faltava oposição ao actual Governo e sobrava indefinição quanto a uma ideia para o País e para o futuro. Foi nesse António Costa que as pessoas votaram em primárias primeiro, e no Congresso do PS depois.

Desde a sua eleição António Costa tem sido ora fiel ora infiel a essa promessa implícita entre ele e os seus eleitores.

Pessoalmente, espero que o António Costa das gafes recentes, da decisão de reposição das subvenções vitalícias a meias com a actual maioria, e da conversa mole tenha ido a enterrar definitivamente hoje.

Hoje, em que é conhecida uma sondagem que mostra – objectivamente – que o PS está exactamente onde estava, do ponto de vista eleitoral, com a anterior liderança: à frente da maioria mas muito longe de uma vitória que lhe permita mudar de políticas. E isso, pura e simplesmente, não serve. Pela mesma razão, uma qualquer ideia de bloco central é fundamentalmente incompatível com aquilo que o País precisa.

Ora, com a clareza que deveria ter todos os dias António Costa afirmou que o país “não está à espera nem precisa de um bloco central”. E disse, mais, que “Nós temos propostas, nós temos medidas. E não nos conformamos com a resignação do senhor primeiro-ministro – e estamos aqui para construir e afirmar uma alternativa. (…) Apresentámos a estratégia nacional de combate à pobreza infantil e juvenil, que é o segmento da sociedade onde a pobreza mais aumentou. Apresentámos as políticas activas de emprego, dirigidas aos jovens mais qualificados, de modo a integrá-los nas empresas do sector exportador, de forma a reforçar a produtividade e a competitividade. Apresentámos a proposta de dinamizar sectores com capacidade para absorver a mão-de-obra intensiva, como sejam a reabilitação urbana, na construção; a redução do IVA na restauração”.

Ora não é preciso concordar a 100% com tudo o que ali está – ou com tudo o que está na Agenda da Década ou estará no programa eleitoral do PS – para perceber que é mil vezes mais capaz de dar resposta ao que o País precisa do que a alternativa que a actual maioria oferecerá: mais quatro anos de austeridade misturada com uma estranha (e ilógica) mistura de liberalismo de trazer por casa com uma tendência para brutais aumentos de impostos, corolados com taxas e taxinhas desde sacos de plástico a tudo o que tem armazenamento digital.

Esperemos, então, que este tenha sido o momento em que o Costa bom finalmente ganhou a batalha ao Costa mau. Afinal, para mau Seguro teria servido perfeitamente.

4 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D