Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

12
Mai14

O cheque ensino e a hipocrisia

Frederico Francisco

Li há pouco no Público.pt um artigo de opinião do Paulo Guinote com o qual concordo na íntegra. O essencial do raciocínio está resumido no seguinte parágrafo:

"A verdade é que quem nega cerca de 300 euros para a sobrevivência de uma família com os pais e um filho ou pouco mais de 400 euros para uma família com pais e três filhos é em tantas situações quem quer esse valor para pagar o convívio social e heráldico da sua própria e desafogada descendência."

 

Aproveitando que este assunto veio à baila, deixo um desafio aos defensores do cheque ensino que ajudaria a eliminar a hipocrisia subjacente ao modelo. Esse desafio consiste em propor um modelo de cheque-ensino que coloque escolas e alunos em pé de igualdade. Fundamentalmente, gostava de ver um cheque-ensino que permitisse que qualquer aluno se inscrevesse em qualquer escola e não permitisse a selecção de alunos. Desta forma, os preços das propinas teriam que ser tabelados pelo valor do cheque, de forma a que não houvesse selacção pelos rendimentos da família. Naturalmente, as escolas com melhor posição nos rankings, irão ter enormes listas de espera, e aqui entra o ponto chave da proposta que eu gostava de ver. No caso de o número de candidatos ser superior ao número de vagas numa escola que receba cheque-ensino, a selecção teria de ser feita por sorteio.

 

Em suma, se me apresentarem um modelo que permita ao filho ou filha de um casal que vive com o salário mínimo ou com o subsídio de desembprego estudar nos Salesianos ou no S. João de Brito, estou disposto a discutir este assunto. Aí, eliminados ou reduzidos os efeitos de selecção social, veríamos como evoluiriam os rankings.

 

Estarão dispostos a colocar a questão nestes termos? Ou será que a razão principal para escolher uma escola privada não é a qualidade de ensino mas antes a composição social da sua população estudantil?

 

Até lá, penso que um ensino público universal e de qualidade continua a ser o melhor garante de (alguma) igualdade de oportunidades no acesso à educação.

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D