Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

06
Fev15

Não sei o que me impressiona mais

Diogo Moreira
Se a linguagem da chantagem, e da força, que os arautos da austeridade estão a tentar impor à Grécia ou a forma acrítica como a elite dos comentadores a tem “engolido”, e reproduzido. O “status quo” parece apostado na continuação da tragédia social e económica na Grécia, e por extensão no resto dos países em crise nesta Europa cada vez mais dos seus ideais. E porquê? Estarão loucos? Será a influência dos lobbies financeiros assim tão forte, que tudo farão por umas míseras migalhas, para aqueles que nos deveriam informar e guiar? É o bom-senso algo de maldito em Bruxelas? 

Pensemos um bocadinho: se Merkel, Passos, Portas, e quejandos, impuserem a sua vontade à Grécia, qual será o resultado? Já sabemos que esta política económica não resulta. A dívida não para de aumentar, e as formas de a poder pagar não param de cair. Como se tivéssemos de dizer a um coitado que teria de parar de comer, para pagar as dívidas ao banco, todos nós já sabemos que sem uma reestruturação da dívida grega o único resultado é a falência do país, e a inevitável saída do Euro. Aquilo que a própria União está a ameaçar fazer à Grécia, para a obrigar a continuar fazer algo que terá como resultado esse mesmo desenlace. 

 Não será isto loucura? 

E isto é sem considerar a hipótese do governo grego decidir sair do Euro, e da UE, como única forma viável de alterar a política suicidária, para a qual continuam a ser empurrados. 

Queremos continuar a pertencer a uma União controlada por loucos? Águas passadas não movem moinhos, e talvez a UE seja uma ideia que já passou o seu prazo de validade, pelo menos na sua actual formulação. Acho que o debate sobre se queremos pertencer à moeda única deve ser reaberto. Afinal, se tanta gente ameaça expulsar um país do Euro, não lhe vejo grande futuro, pelo menos com os mesmos países.

— Diogo Moreira
«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D