Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



"Ordem de trabalhos da próxima Comissão Nacional vai à Jurisdição: presidente do PS tem dúvidas de que possam ser pedidas eleições estando um líder em funções"

http://www.ionline.pt/artigos/portugal/presidente-ps-duvida-da-legalidade-congresso-extraordinario-pede-parecer-comissao

Esta é talvez a maior golpada alguma vez feita na história de um partido, na democracia portuguesa.

Basicamente, Maria de Belém Roseira acha que pode ignorar expressamente o que está escrito nos estatutos do PS. Não estamos a falar de uma interpretação diferente, mas sim de ignorar literalmente o texto.

Se a Comissão de Jurisdição acompanhar este acto ilegal, isto irá parar tudo já a tribunal. Ou então os estatutos estão mortos, e impera a lei da selva no PS...

O PS não merecia isto!

E os portugueses não merecem ter esta senhora como deputada da nação.

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

De outeiro a 09.06.2014 às 11:06

Partido onde está a dona Maria de Belém, ainda por cima como presidente, fede. É de fugir dele!

NB - falo com conhecimento de causa!

De kruzes a 09.06.2014 às 12:42

Ora...a senhora é tão jeitosinha...

De Isabel a 10.06.2014 às 10:06

Mas esta senhora está desde Junho de 2013 aposentada pela AR, constando da lista publicada pela CGA:

http://dre.pt/pdf2sdip/2013/05/088000000/1452814549.pdf

Como é que continua a ser deputada, se pediu a aposentação nessa qualidade?

De Anónimo a 06.08.2014 às 14:01

Nível tem você Sr Diogo Moreira...

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • Jaime Santos

    Eu não entendi o comentário do Diogo Moreira nesse...

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset