Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

14
Fev16

Longe vai o ano do Passos favorável ao aumento dos combustíveis: 2015

Nuno Oliveira

O tempo voa. Debatia-se a proposta de Orçamento do Estado para o longínquo ano de 2015. Nele constava um pacote pomposamente designado “fiscalidade verde” em que a medida com maior impacto orçamental era – adivinhem! – um aumento dos impostos que incidiam sobre os combustíveis.

 

Na altura, na apresentação do OE2015, Passos via “uma aposta na mudança de comportamentos e nos incentivos para uma abordagem de maior eficiência no uso dos recursos, menos desperdícios nocivos, e de maior sustentabilidade do nosso crescimento e do nosso modo de vida.” Mais, via uma “alteração de comportamentos com consistência e benefício económico e ambiental” e via ainda um “Crescimento Verde, para uma economia mais eficiente e com mais tecnologia e para uma maior sustentabilidade do nosso modo de vida”.

 

Passado tanto tempo, uma boa dezena de meses, o que diz agora Passos? Ora, parece que terá dito na sexta-feira que “de um modo geral os portugueses, quer andem de automóvel ou não, acabarão por suportar o custo mais elevado que os combustíveis representarão” e que, pasmem!, haverá consequências “consequências no crescimento económico” até porque – pudera! – “o nível de aumento do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP) é muito intenso”.

 

A questão da competitividade com Espanha já era referida quando Passos aumentou os combustíveis. Mas não se julgue que isso minimizava o argumento do Ministro Jorge Moreira da Silva que não hesitava em afirmar, em entrevista à Visão, que a descida do preço do petróleo “é uma boa notícia para os consumidores mas é uma má notícia para o combate às alterações climáticas sem mostrar preocupação com o facto de o seu homólogo espanhol (não) partilhar a mesma abordagem.

 

Mas, na referida entrevista, Moreira da Silva foi mais longe e explicou porque é que o desagravamento do IRS para aumento dos impostos combustíveis é virtuoso: “Quando pagamos IRS, não temos margem de manobra. Trabalhamos e pagamos. Quando uma empresa produz riqueza, não tem margem de manobra. Produz e paga. Mas quando eu consumo de uma forma sustentável, posso fazer escolhas.” Acresce que ainda dá um “sinal aos consumidores para que comprem produtos mais verdes porque poupam, e dá um sinal aos produtores para que produzam produtos mais verdes porque ganham.”

 

Mudam-se os tempos, já sabemos. Se a passagem à oposição poderia ser um interessante teste à pose de Estado e à capacidade para resistir à demagogia, Passos, talvez nervoso com as entrevista de Rui Rio, caminha para falhar estrondosamente

.

6 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D