Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

08
Set15

Jornalixo: O futuro do entretenimento

Diogo Moreira

A saída de José Sócrates da prisão de Évora, acontecimento que rapidamente foi transformado pelos media em alfa e omega da campanha eleitoral, permitiu-nos assistir a mais um episódio da variante de jornalismo que se tem tornado moda em Portugal: o jornalixo.



Vulgarizado pelo Correio da Manhã, o jornalixo caracteriza-se pela ausência de qualquer regra deontológica da profissão jornalística, e pela ênfase total da informação como entretenimento de massas, sendo a preocupação com os factos, a verdade, o bom-senso, ou até mesmo a simples decência, algo que não assiste ao jornalixo. Em vez disso, o jornalixo procura ser entretenimento para a audiência, fazendo apelo aos mais básicos instintos de quem tem a infelicidade de os ler, ouvir ou ver. Voyeurismo, inveja, vingança, entre muitos outros sentimentos nefastos, são a alimentação que o jornalixo procura fornecer à sua audiência. Tudo com um simples objectivo: fazer com que a audiência continue a se alimentar nos media que praticam essa forma de “informação”.



E isto, infelizmente, é algo que decorre naturalmente da essência do negócio da imprensa. O jornalismo vive de audiências, seja em que formato. Antigamente, as pessoas compravam jornais para se informar, mas as rádios, revistas e televisões sempre tiveram múltiplas funções. A informação andou sempre a par do entretenimento, e em grande medida é o entretenimento que financia a comunicação social de massas. Nessa perspectiva a informação fornecia o glamour e a respeitabilidade, enquanto o entretenimento fornecia o financiamento. Mas o mundo mudou.



Com a ascensão da reality TV, os media ficaram cientes que as audiências já não se regiam pelo paradigma do séc XIX. A informação podia andar de braço dado com o entretenimento. Aliás, a informação podia ser entretenimento. Para isso bastava abandonar os critérios deontológicos do jornalismo, e fornecer aquilo que as pessoas realmente querem ver, desejam ver, odeiam ver, mas não conseguem parar de ver: o jornalixo.



Onde é a casa que Sócrates vai viver em prisão domiciliária? Vamos dizer a morada a cada 5 minutos. O que ele vai comer? Quem o visita? Como são as paredes? E o tecto? E a casa-de-banho? E Sócrates? Como se veste, come, urina? Tudo isto, o jornalixo fornece. Tudo isto, as pessoas não deixam de ver.



Isto é o futuro do jornalismo. Inevitável porque se já não servem como fornecedores de notícias, visto que a internet e as redes sociais já ocuparam esse nicho, mais vale ser entretenimento. E quem não gosta, vê/lê/ouve outras coisas.

3 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D