Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



11
Jun

Ironia

por CRG

Teresa Leal Coelho já nos tinha surpreendido com a sua noção de independência dos deputados: não respondem perante os eleitores, mas a quem lhes financia o debate e o vencimento, que na altura de tal afirmação seria, segundo ela, a Troika. Presumo que agora que o Estado regressou aos mercados...

 

Na sua última entrevista ao "Público" a Vice-presidente do PSD brindou-nos com mais um conceito novo: a conduta dos nomeados politicamente deve seguir os ditames de quem nomeou. E eu que julgava que estes deviam cumprir as suas funções de acordo com a melhor das suas capacidades, tendo como fim último a prossecução do interesse público (que, ao contrário do que por vezes parecem supor, não é sempre coincidente com os interesses do Governo).

 

Felizmente, o legislador não é ingénuo como eu, pelo que de forma a garantir a total independência dos Juízes do Tribunal Constitucional o seu mandato  tem a duração de nove anos e não é renovável. 

 

No entanto, admitindo-se por mera hipótese académica tal interpretação da função dos Juízes do TC, não deixa de ser curioso que uma deputada que apoia o Governo acabe a queixar-se que os juízes do Tribunal Constitucional criaram na sua candidatura uma ilusão de uma determinada visão filosófico-política que não teve correspondência na prática - oh a ironia.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Sitemeter



Comentários recentes

  • Jaime Santos

    Eu não entendi o comentário do Diogo Moreira nesse...

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset