Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

06
Set16

I-catching Capital

CRG

 

Na última semana, a Comissão Europeia concluiu que, apesar da taxa de IRC da Irlanda ser de 12,5%, a Apple pagou apenas 1% de impostos sobre os lucros europeus em 2003 e cerca de 0,005% em 2014.

 

Entretanto, Assunção Cristas veio propor a descida do IRC em Portugal de 21% para 5,5%.

 

Estas duas notícias reflectem a pressão que o capital tem feito para fugir à tributação. Na sua obra Catching Capital - The Ethics Of Tax Competition, Peter Dietsch procura descrever este fenómeno:

 

Graças à mobilidade do capital e à consequente competição fiscal, assiste-se a uma desdemocratização do capitalismo, em que é permitido ao capital excluir-se do contrato social; pode, por exemplo, beneficiar dos serviços públicos e infra-estruturas de um determinado país, mas pagar impostos correspondentes noutro país com uma taxa mais reduzida.


Acresce que num mundo desregulado e globalizado o capital pode entrar em "greve". Pressiona os trabalhadores para aceitarem cortes salariais ou diminuição de outros benefícios; pressiona os Estados para lhes conceder benefícios fiscais ou outros. E sempre com o argumento de que estas condições são necessárias para que as empresas se mantenham competitivas e a sua recusa levaria à perda de empregos.

 

Um dos exemplos mais extremos deste poder excessivo do capital é o conflito da Boeing com os trabalhadores na sua fábrica em Seattle em fins de 2013. A empresa, cujas acções tinham acabado de atingir a sua máxima valorização – e cujo CEO tinha recebido um aumento de 20%, ascendendo o seu salário a 27,5 milhões de dólares –, queria que o sindicato fizesse concessões nos salários [propôs cortes salariais]. E fê-lo depois de ter auferido o maior benefício fiscal da história dos EUA no valor de 8,7 mil milhões de dólares. Sem esquecer que a Boeing é uma das 26 empresas da Fortune 500 que entre 2008-2012 não pagaram impostos a nível federal, pese embora nesse período ter tido lucros.


A competição fiscal entre Estados empurra para baixo a taxa de impostos sobre o capital . Com efeito, por força desta pressão, nos últimos 30 anos, tanto a taxa do IRC como a taxa de IRS para os escalões mais altos desceram nos países da OCDE. Para responder a esta quebra forçada de receita, os países alargaram a sua base tributável taxando mais o consumo e os rendimentos do trabalho e limitaram o nível da despesa pública. Na prática o sistema fiscal tornou-se mais regressivo (nota: tanto a receita como a despesa contribuem para a redistribuição da riqueza, pelo que a progressividade ou regressividade de um regime fiscal apenas pode ser avaliada pesando as duas componentes), sendo que um sistema fiscal mais regressivo leva ao aumento das desigualdades


À ideia de "no taxation without representation", central à formação das democracias, está inerente o princípio da "autodeterminação fiscal": é aos cidadãos – e não às corporações – que compete determinar as políticas fiscal e orçamental, em função do projecto político escolhido pela maioria.

 

Perante esta ameaça às democracias, Peter Dietsch propõe a criação de uma instituição supra-nacional que regule a competição fiscal entre Estados.

 

Enquanto tal não se concretiza (e, diga-se, essa não parece ser uma prioridade política para a comunidade internacional), cabe à UE, como entidade supranacional promotora da democracia, a tarefa de contrariar a competição fiscal entre os seus estados-membro. Infelizmente, uma Comissão Europeia liderada pelo ex-PM do Luxemburgo, responsável por um regime fiscal que permitiu a fuga aos impostos por parte das multinacionais, retirando milhões aos cofres públicos, não augura nada de bom.

Nota: O próprio capitalismo sofre com a existência desta competição fiscal: as multinacionais beneficiam de condições vedadas aos seus competidores mais pequenos, resultando em concorrência desleal. Não é por acaso que a Organização Mundial do Comércio proíbe a maior parte dos subsídios à indústria porque considera que estes impedem a existência de uma competição justa entre as diversas empresas.

1 comentário

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D