Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

06
Fev14

Funâmbulos e palhaços

Sérgio Lavos

Sempre que nos sentirmos mais em baixo, por causa da crise ou por causa do Benfica, temos o Governo, que nos acode nestas horas de aflição. Como estamos a viver tempos de excepção, governados por pessoas a quem não compraríamos um carro nem que nos apontassem uma arma à cabeça, só nos resta irmos assistindo às incompetências, dislates ou improvisos que se vão sucedendo de forma imparável.

No fundo, somos um privilegiados. Mesmo sem um comediante do calibre de Relvas, o executivo consegue ir descobrindo novas formas de estimular as nossas glândulas do prazer. Basta apontar um nome ao calhas - pode ser, para o propósito deste texto, Nuno Crato, o ministro do rigor e da exigência - e encontraremos motivos para riso, escárnio e preocupação, desespero. É verdade que tem havido um meritório esforço de Crato a esquivar-se às balas surgidas depois dos cortes nas bolsas da FCT - e veio mesmo a calhar a polémica das praxes, que ele aproveitou que nem um afogado aproveita as derradeiras moléculas de oxigénio de uma botija -, mas nem com estas golfadas de ar terminal Crato consegue estar mais do que quarenta e oito horas afastado da linha da frente.

Só no dia de hoje, dois tiros no porta-aviões: os reitores queixam-se de uma promessa de financiamento de 30 milhões de euros que ele já veio negar ter feito, demonstrando à exaustão que a boa fé não é algo com que se possa contar quando falamos deste Governo. Por outro lado, os politécnicos já vieram dizer que recusam leccionar os cursos de dois anos aprovados, aproveitando o Conselho Coordenador para acusar o ministro de "desconhecimento da realidade do ensino superior".

Relembro que é este o ministro do rigor e da exigência, o que, de cada vez que se sente acossado, inventa um exame para entreter tolos. É este ministro que, algum tempo depois de ter posto em causa a qualidade dos cursos ministrados nos politécnicos, aprova uma espécie de formação fast-food, em nada diferente do que já existe no ensino secundário.  

É claro que já há muito tempo que o Governo labora em roda livre, e as pessoas sabem que nada lhes vai acontecer. Morando o seu porta-vez em Belém, o Governo não cairá nem que o país afunde - e nem os submarinos de Portas nos poderão salvar, se isto acontecer. Despreocupadamente, os ministros lá vão dando o seu pior, exemplos vivos de que o princípio de Peter não se aplica quando falamos de Passos Coelho e da sua trupe. É a desbunda total. Desfrutemos.

2 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D