Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



18
Set

"No seu trágico desespero arrancava brutalmente os cabelos da sua peruca"

Díaz Dufoo Jr

 

A manifesta incapacidade da UE para lidar com as diversas crises - crise económica causada pela crise do sub-prime, a crise da Ucrânia e, agora, a crise dos refugiados - é trágica. As suas respostas extemporâneas e ad hoc revelam que os princípios de solidariedade, de democracia, de defesa dos direitos humanos que apregoava eram um recurso demagógico: um artifício estético que aos poucos é arrancado, demonstrando a sua verdadeira face.

 

E esta é a de uma UE cada vez mais inter-governamental - apesar de se ter assistido ao reforço da legitimidade democrática do Presidente da Comissão com a sua "eleição directa" a Comissão continua dependente e com falta de proactividade -, onde os poderes fácticos imperam e as regras se vão adaptando consoante o poder do país* e dos interesses afectados, com predomínio do poder económico sobre os demais (vd: a forma díspar como as lideranças europeias tratam os governo grego e húngaro).

 

O projecto europeu, que era na sua génese uma construção política que utilizaria a integração económica como catalisador daquela, subverteu-se numa instituição dos mercados, pelos mercados e para os mercados. E será possível que tal entidade assim concebida e assim dedicada possa perdurar? 

 

* A Comissão Europeia está há cinco anos a avisar a Alemanha que esta arrisca-se a ser multada caso mantenha o investimento abaixo das metas estipuladas.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Sitemeter



Comentários recentes

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.

  • Daniel Silva

    Sim, a tendencia é sempre a mesma. O aumento salar...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset