Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

14
Jun14

Esquecer é deixar morrer

Pedro Figueiredo

Há pessoas que marcam. Para sempre. Independentemente do tempo de convívio que se possa ter tido.

Porque faz hoje 365 dias que partiu uma das mentes mais brilhantes que conheci, relembro quem nunca consegui dissociar do provador de venenos, expressão que só o próprio poderia ter-me dado a conhecer. Não é uma homengem a título póstumo. A minha admiração e reconhecimento por João Pinto e Castro não precisa de data alguma para se materializar, mas se alguma vez tivesse de o fazer publicamente e não apenas em privado, hoje e aqui era o ideal. Não ficou nada por falar entre nós, mas havia ainda tanto por dizer...

Melhor do que a minha lembrança, ficam aqui as da Ana, da f., da Irene, do Paulo, da Ana, e da Shyz.

Porque esquecer é deixar morrer, para mim, o provador de venenos continua vivo. E continuará. Para sempre.

2 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D