Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

04
Abr15

Enquanto há força, cantai rapazes, dançai raparigas, seremos muitos, seremos alguém

MCF

 

Sampaio da Nóvoa é candidato a Presidente da República. Ainda bem. 

Ele foi, e neste momento será o melhor cartão de apresentação dele que me ocorre, o homem que teve a coragem de dizer ao País, na presença do actual Presidente e de Passos Coelho (vale muito a pena ver as reacções e ouvir tudo) o que precisava de ser dito. Palavras duras, mas justas e entregues sem gritaria nem demagogia. Um homem que tem esta coragem está mais que no seu direito de se candidatar:

 

 

É verdade que Sampaio da Nóvoa é pouco conhecido no País, mas não podemos continuamente clamar pela necessidade de a sociedade civil gerar alternativas aos "mesmos de sempre", "políticos de carreira", "gente que vive da política e nunca fez nada na vida" (o que em si mesmo é debatível, mas não é isso que interessa agora) e depois afastarmos quem não tem carreira pública porque "é inelegível". 

É verdade que Sampaio da Nóvoa regularmente arrebata plateias, da Aula Magna à Gulbenkian, mas que elas dificilmente representam o País. É verdade que, como académico de sempre, nem sempre o seu discurso é fácil de digerir ou se percebe sem um módico de concentração pouco comum no leitor apressado que hoje é dominante. 

É, por fim, verdade, que quem não conhece a Academia não sabe que um Reitor é um gestor de topo, um executivo, e é fácil colar aos académicos o rótulo de "teóricos". 

E por estas razões, tive muitas hesitações, especialmente quando Sampaio da Nóvoa intervém no Congresso do PS, num momento em que, talvez porque não foi inteiramente fiel a si próprio, ficou muito aquém do que nos habituou.

Tudo isso fica resolvido hoje: se queremos um País diferente temos de arriscar fazer diferente. Nunca duvidei que daria um bom Presidente, apenas, num primeiro momento, que fosse elegível. Mas isso é duvidar de nós próprios, enquanto País.

Merecemos, colectivamente, a oportunidade de mostrar que sabemos escolher. Que preferimos um humanista a mais um "ás" do excel. Que sabemos valorizar um homem que serviu sempre o interesse público, e que é impoluto. Que sabemos distinguir ideias de sound-bytes mesmo que isso demore mais do que 30 segundos. Que sabemos ver um homem bom, inteligente e preparado quando ele nos oferece o melhor de si. 

Terá o meu voto. E espero que os suficientes para nos poder servir a todos. Depois de Cavaco Silva, que tem feito da Presidência o menos que ela pode ser, seria um salto quântico. 

 

PS - Disclaimer da ordem, Sampaio da Nóvoa foi, durante muitos anos, o meu Reitor. Teve a visão de, com o actual Reitor, Cruz Serra, somar a Universidade de Lisboa e a Técnica, para nos dar dimensão e transversalidade no Mundo. Contra ventos e marés. Julgo que só por isso o País lhe devia já muito. Mas se ele nos quiser dar mais, só podemos aceitar.

8 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D