Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

20
Out16

É preciso nascer 331 vezes para ser mais competente do que eu

CRG

Num país em que a classe média é proprietária de imóveis de valor patrimonial superior a 500 mil euros, o salário anual do novo presidente da CGD (423 mil euros) não deveria geral polémica. Infelizmente não vivemos nesse país. E como tal é natural que surjam críticas, que sobem de tom atendendo aos resultados recentes da gestão de topo e bem paga da banca portuguesa.

 

No entanto, ao contrário do que se tem ouvido, designadamente do PR, esta questão não deverá ser reduzida a público versus privado. A CGD é uma sociedade anónima de capitais exclusivamente públicos e rege-se pelas mesmas normas das empresas privadas do sector. Este caso deveria servir para se discutir por que razão nos últimos 40 anos disparou a diferença entre os salários dos CEOs e dos trabalhadores médios. Será legítimo que os CEOs das principais empresas americanas ganhem 331 vezes mais do que os trabalhadores médios e 774 vezes mais do que os trabalhadores que auferem o salário mínimo? Em Portugal a diferença é menor, mas ainda assim considerável: o salário dos CEO é 30 vezes o salário do trabalhador médio (superior à diferença que havia nos EUA até 1980). 

 

Captura de ecrã 2016-10-20, às 17.40.57.png

Neste tipo de situações costuma surgir o argumento de que a remuneração corresponde à elevada competência e especialização e que, caso não sejam pagos tais montantes, não será possível contratar os melhores gestores.

 

Ora, não se pretende, nem seria desejável, que a competência não se reflita em termos salariais. É natural que os gestores de topo de uma empresa tenham uma remuneração superior ao respectivo trabalhador médio. O problema é saber qual a diferença aceitável, sobretudo nos casos em que os gestores não são empreendedores que colocaram o seu próprio capital em risco. E caso se considere que deverá haver um tecto máximo, será que o Estado poderá ou deverá fazer algo nesse sentido? 

9 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D