Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

21
Ago14

Dos procedimentos normais

David Crisóstomo

"Quanto ao pagamento de quotas por terceiros a militantes, o dirigente nacional desvalorizou, dizendo que esse tipo de pagamento “está tipificado”. E recusou mostrar os comprovativos de pagamento por estar em causa o direito ao “sigilo bancário”", diz Miguel Laranjeiro, o secretário nacional com os pelouros da Organização, Administração e Finanças. Mas camarada, permita-me: não creio que esteja bem a ver gravidade da questão. Percebo que do seu ponto de vista sejam só mais umas quotas que entram para os cofres pagas por outrem (e nalguns casos, pelo além). Mas a mim preocupa-me um outro ponto bem mais grave: no que se percebe da situação presente do PS de Braga, as quotas foram pagas por terceiros totalmente desconhecidos dos militantes em questão e à revelia dos mesmos. Se é relativamente normal haver militantes com quotas pagas por outros cidadãos que não os próprios, é deveras anormal que alguém veja as suas dívidas ao partido pagas por anónimos. Tal situação levanta a questão óbvia, que não vejo apoquentar o ainda secretário nacional: como é que estes "terceiros" desconhecidos dos militantes em causa tiveram acesso aos seus dados de pagamento? Como é que um perfeito estranho consegue aceder e utilizar o número de militante de um filiado no Partido Socialista? É prática comum em Braga as informações sobre os militantes circularem assim por anónimos sem qualquer autorização prévia? Mais que o "direito ao sigilo bancário" de quem obviamente não se preocupou quando quis fazer o que é aparentemente uma "doação anónima", o Miguel Laranjeiro não está preocupado sobre de que forma é que estes estranhos benfeitores puderam ter acesso aos números de militantes em causa? Ou isto é banal e "tipificado"? "Desvaloriza"? Os nossos dados de filiação no PS circulam assim em mãos alheias e o secretário nacional responsável nem uma declaração faz, nem um processo manda abrir? Isto é normal?

 

1 comentário

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D