Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Uma das críticas que se ouve na hipótese de acordo do PS com os partidos à sua esquerda é o facto destes terem propostas que vão contra pilares do regime.

 

O que é estranho é que tal diabolização só ocorra à esquerda. Quando o PSD fez acordos de coligação com o PPM, o último em 2005, alguém confrontou os dois partidos da mesma forma? 

 

Questionou-se se o PSD iria obrigar o PPM a recusar a defesa da monarquia para efectivar um acordo? Questionou-se sobre a hipotética incoerência da monarquia que o PPM defendia (e defende) não constar da plataforma de entendimento?

 

Dissertou-se horas sobre a má imagem que resultava para o PSD o facto de unir-se a um partido que defende que o chefe de Estado seja indicado de forma divina e não democrática? Escreveram-se artigos inflamados de republicanos a afirmar que deixariam de votar no PSD?

 

Como sabemos, a novidade desperta sempre alguns temores, sobretudo quando estes temores são convenientes. Convinha contudo que houvesse uma maior serenidade no discurso público e não agitar espantalhos.

 

Afinal, tanto se perorou sobre compromissos e vai-se a ver, confrontados com reais hipóteses da existênca de compromissos, há sempre escandalizados de serviço.


 

Autoria e outros dados (tags, etc)


15 comentários

De Carlos a 11.10.2015 às 12:29

Só por acaso, ou talvez não, as monarquias europeias encabeçam a lista dos países mais desenvolvidos do mundo, a todos os níveis, quer na componente social quer na componente democrática e do respeito pelos direitos e deveres dos cidadãos.Mas não é isso que está em discussão na sociedade portuguesa, o que se discute é se , por mera conveniência para a sobrevivência política de um dos protagonistas se deve ou não dar a oportunidade de se formar um governo apoiado em partidos cujos programas políticos são completamente antagónicos.
Pretendem com este truque de algibeira colocar António Costa à frente do governo , mas quando chegar o momento de aprovar o orçamento do estado e cumprir o pacto de estabilidade , espera-se que seja o PSD e o CDS a aprovar o dito documento.Basta ler na página do PCP o que foi escrito depois da reunião com António Costa para se perceber o que se espera.
Os ideários políticos do BE e CDU são incompatíveis com o espaço político e económico a que pertencemos , se é isso de facto que o PS pretende, então que se deixe de fantasias e assuma que não pretende cumprir o pacto de estabilidade e consequentemente quer sair do euro e da união europeia.

De Jaime Santos a 11.10.2015 às 12:58

O seu tiro falha nos dois pontos: primeiro, a Esquerda nunca contestou a presença do PPM no Governo, Ribeiro Teles até foi, creio, deputado independente pelo PS. Mário Soares chegou a admitir que poderia haver monárquicos no PS. Portanto, relativamente à tolerância por opiniões distintas do consenso habitual, a Esquerda leva a Palma. Segundo, assume que um acordo de coligação entre PS/BE/PCP obrigará o PS a passar todas as linhas vermelhas que estabeleceu e que não garantirá a Estabilidade Governativa. Calma, homem! Espere para ver e depois criticar, não comece a sentir já o Poder a fugir-lhe debaixo dos pés. Os Partidos da Esquerda têm muita pedra para partir e o mais provável é mesmo um Governo PàF com tolerância do PS. Agora, se pensam que Costa vai entregar já os pontos ao PSD/CDS e depois o Partido em Março a um qualquer mono que o 'pasoke', desenganem-se. E habituem-se, porque a Maioria Absoluta, já era!

De Carlos a 11.10.2015 às 15:49

Meu caro ,

Eu não escrevi que a esquerda contestou a presença do PPM no governo,nem tão pouco me referi a esse partido ou qualquer outro , limitei-me a fazer um comentário sobre países monárquicos.
O PS, melhor dizendo, António Costa, não tem linhas vermelhas, qualquer coisa lhe serve desde que se consiga manter em cena.O problema básico vai ser ,se formarem o tal governo , quando tiverem que preparar o orçamento do estado para apresentarem em Bruxelas.
A realidade sócio económica e política de hoje é a que temos, não é a que gostaríamos que fosse.Não estou a ver Bruxelas dar luz verde a um orçamento que agrave o défice das contas públicas, ainda mais se , como tudo indica, ele ficar abaixo dos 3% este ano.
Sinceramente não estou a ver o PCP ou o BE a comprometerem-se com medidas de redução do défice ou contenção orçamental.Não estou a ver o PCP a abdicar do único poder que ainda detém que são os sindicatos da CGTP, teríamos Arménio Carlos no palanque a apelar às massas trabalhadoras para terem paciência porque se o PCP aprovou estas medidas é porque elas são mesmo necessárias.Claro que sendo os outros a aprovar isso já é um roubo e um ataque às conquistas dos trabalhadores.O problemas básico que se depara neste momento não é se governa a esquerda ou se governa quem ganhou as eleições.O problema básico é termos um governo sustentado em partidos que são contra a união europeia, contra o euro, contra a economia do mercado, contra o rigor orçamental.Quem nos empresta o dinheiro pouco lhe interessa se o governo é deste ou daquele partido , interessa-lhe sim a certeza de que pagamos e honramos os nossos compromissos, que somos um país que oferece confiança e que não se limita a viver com o dinheiro dos outros sem mostrar a menor intenção de se ajustar à realidade europeia e mundial.

De Anónimo a 11.10.2015 às 16:11

Pois não, você não falou da ausência de contestação da Esquerda ao PPM, desconversou, porque era esse o ponto do Nuno Oliveira. Relativamente a Costa ter ou não ter linhas vermelhas, não sei o que lhe vai na alma, sei que ele sabe ao que se comprometeu durante a Campanha e espero que seja suficientemente inteligente para perceber que o eleitorado não lhe perdoaria se enveredasse pelo frentismo esquerdista de saída do Euro, da UE ao da Nato. Aí, o sucessor de Cavaco bem poderia dissolver a AR e convocar eleições antecipadas, que a Direita venceria folgadamente com Maioria Absoluta. Mas uma coisa é verdade, Costa nunca excluiu um acordo com a Esquerda, como a sua intervenção no Congresso do PS bem mostra e eu votei nele sabendo isso. Aliás, durante a Campanha disse que chumbaria um Governo Minoritário da Direita (o que lhe custou votos, seguramente) e agora moderou o discurso. Quanto ao resto do que diz, está a fazer futurologia de pacotilha. Diz que sinceramente não está a ver isto e aquilo. Pois, eu também não, mas também não estava a ver Jerónimo de Sousa a dizer o que disse. Deixe-os trabalhar numa alternativa, deixe o PSD+CDS apresentarem propostas ao PS e deixe que os Socialistas se pronunciem sobre uma hipótese ou outra. É assim que funciona. Qual é a pressa ?

De Carlos a 11.10.2015 às 16:33

Futurologia de pacotilha faz a Maia.Limitei-me a dar a minha opinião, que vale tanto como a sua e dos outros que participam.
A pressa é Portugal ter de apresentar contas em Bruxelas durante o mês de Novembro. A pressa é que se não forem tomadas medidas até lá, no dia 1 de Janeiro o país ficará a ser governado por duodécimos e todas as medidas de contenção orçamental perdem a validade.Um pequeno pormenor que provocará um significativo acréscimo do défice orçamental de consequências imprevisíveis. A pressa é não nos tornarmos rapidamente numa nova Grécia.
Se os eleitores quisessem ter como primeiro ministro António Costa, ou qualquer outro dos líderes partidários , tinham votado neles, mas não foi isso que aconteceu.

De Jaime Santos a 11.10.2015 às 19:47

Resumindo o seu argumento, se o PS não capitular já, vem aí de novo a troika. Já deu para perceber que o argumento do medo é o favorito da Direita, antes e depois das eleições. Para amantes da Democracia, estamos conversados. Deixe-me só lembrar-lhe duas coisas. As eleições foram há oito dias. Se PPC e PP estivessem assim com tanta pressa tinham ido para a reunião que ELES marcaram com Costa com um conjunto de propostas para Costa analisar, em vez disso esperavam que Costa levasse as suas, o que implicaria aceitar que o Governo deveria ser do PSD+CDS se estes dois Partidos aceitassem as ditas propostas do PS. Eu não espero que o Líder do Partido em que votei faça de PATO perante a coligação, já bastou a má Campanha. Perderam a Maioria, habituem-se. Segundo, pare com essa treta de que o cargo de PM é de eleição direta, mostre-me lá na CRP onde diz isso. O Governo emana da AR, como Paulo Portas bem explicou a Passos Coelho no debate que se pode ver numa das postas abaixo. De novo, perderam a Maioria, habituem-se.

De Carlos a 11.10.2015 às 22:44

Medo ? Acho que está a confundir medo com a realidade e as obrigações do estado.Como escrevi anteriormente, não me parece que seja com o PCP e o BE que algum governo consiga em primeiro lugar governar,e em segundo lugar, produzir um orçamento de estado com viabilidade.
A PaF não é maioritária mas ganhou as eleições, e se isso não é suficiente para PPC ser indigitado primeiro ministro porque os votos não contam, então podemos propor a Catarina Martins para chefe do governo, é tão legitimo como qualquer outra opção desde que ela consega reunir os apoios suficientes no parlamento.
O país terá de ter um governop, seja PPC ou AC ou primeiro ministro , apenas não acredito na estabilidade e na viabilidade de um governo suportado pelo PCP e BE, as suas agendas partidárias estão a léguas do que o país necessita.

De Jaime Santos a 11.10.2015 às 23:29

A si parecem-lhe muitas coisas. É pouco provável que o PS, o BE e o PCP se entendam em torno de um acordo comum, mas espero para ver, e não agito o fantasma da troika, especialmente uma semana depois das eleições e quando a Direita arrasta os pés e limita-se a pôr pressão sobre Costa, esperando que capitule. Também não sugiro, como José Gomes Ferreira, que o PR deve deixar a escolha do Governo para o seu sucessor. A CRP deixa ao Presidente da República a Prerrogativa de convidar quem entende para formar Governo, ouvidos os Partidos e conhecidos os resultados eleitorais definitivos, sendo que a tradição constitucional (que também conta num sistema de Governo maduro) é de que deve ser o líder do Partido mais votado, neste caso o PSD, a receber primeiro esse convite. Foi Cavaco que inovou e disse que só daria posse a uma solução maioritária. Se o que teme é que Cavaco convide António Costa, os seus comentários são mal dirigidos, dirija-se antes a Cavaco. O que Costa disse na noite das eleições é que só rejeitaria o Programa de Governo da PàF se dispusesse de uma alternativa de Governo para apresentar ao PR. Finalmente, quanto à sua sugestão de que poderia ser Catarina Martins, com certeza, se o PS estivesse disposto a tal, coisa que não está, porque isso trairia os seus compromissos eleitorais. É assim que funciona de momento na Bélgica e na Dinamarca, por exemplo. Num sistema parlamentar, quem recolhe apoio maioritário de um ou mais Partidos, forma Governo. Como bem explica Portas no tal debate.

De Carlos a 12.10.2015 às 00:01

Pode acrescentar ao que explica Portas o resto que Portas explica e não aparece nesse vídeo , e pode também acrescentar o que explicou Costa no congresso do PS em 2009.Não fica bem olharmos só para os deslizes dos outros.
Saúdo-lhe a crença que um governo PS apoiado no PCP e BE vão trazer coisas boas ao país.Pessoalmente e sem nenhuma hesitação prefiro um governo PS minoritário que garantidamente seria apoiado pelo PSD nas matérias importantes, mas não foi esse o resultado das eleições. Quanto ao PR , não acredito que nomeie Costa primeiro ministro, tivesse o PS ganho as eleições, sem dúvida que o faria , nas condições que se adivinham duvido muito.

De Jeremias Situmba a 11.10.2015 às 13:47

Dá gosto ver o nervosismo dos direitolas. Com medinho de ficar sem o pote, é? Rasgue as vestes, grite e esperneie, de certeza que ajuda.

De Carlos a 11.10.2015 às 15:53

Bem pensado , o Jeremias deve ser o herói lá do bairro.Força aí....

De Joe Strummer a 11.10.2015 às 14:24

Ao contrario do que o texto presume não existe nenhuma contradição em o psd fazer acordo com o ppm. Ambos reclamam um direito "divino" ao poder baseado na ordem natural das coisas. No que divergem é se a divindade é representada por um rei idiota ou por um qualquer clown televisivo.
De resto a reacção idiota da direita, não é tão idiota assim, Franco que conheceu de ginjeira a direita que deu origem a esta nova direita, sabia bem o seu caracter, uma cambada de cobardes. Não lhes basta controlar a Imprensa e quase todos os poderes, ainda assim têm medo da democracia.
Se tudo o resto falhar, teremos a maga patologica (a Vidal) do regime á porta da sede do rato a prender o Costa com base no atropelamento dos fundamentos do estado de direita. Até é perto.

De Joe Strummer a 11.10.2015 às 14:35

O que tambem mete impressão é ver a esquerda a embarcar na agenda da direita, sempre com argumentos auto-justificativos em vez de pedirem q ao menos a direita mostre finalmente o programa fantasma com q foi, segundo os proprios, eleita. É q assim eles riem-se q nem uns perdidos.

De Carlos a 11.10.2015 às 16:03

Meu Caro Joe ;

Acho que está confundido, na russia de Putin acontece muita coisa dessa, até temos opositores que acordam mortos.Acha que a SIC a TVI, mesmo a RTP , o Expresso, o JN o Público, só para mencionar estes são favoráveis ao Governo actual ? Acha mesmo ? Tudo bem que o Jornal do Avante é mais acutilante , mas não exagere na apreciação.
Também acha normal que um Ex- primeiro ministro venha a público admitir que recebeu empréstimos de milhões de um amigo, que só por mera coincidência foi administrador de uma empresa que ganhou contratos de milionários de obras públicas durante o governo desse primeiro ministro ? Acha mesmo que isso é normal ?
Quem se acha com direito divino a ser governo é quem perde eleições e sistematicamente acusa quem as ganhou de falta de legitimidade.

De Joe Strummer a 11.10.2015 às 18:39

Eheheh
A proverbial hipocrisia e inversão dos factos da direita. Por partes;

O quê media de direita por cá? Nenhum, muito menos a SIC e o Expresso q são do militante nº1 do PS.

Por esses mesmos pressupostos tinham q construir uma prisão de alta segurança só para os partidos da coligação. De Belem a S.Bento era um vê se te avias. E as razões que tu apontas, juntas ou em separado não configuram nenhum crime, como se vê bem pela absoluta indecência em que o MP transformou este processo. Tenho a impressão que nem na Russia de Putin se desceria tão baixo.

Mas quem é que acusou quem de ilegitimidade? A direita, que não consegue perceber que a formação de um governo cabe aos partidos com assento parlamentar. E já agora, vai lá ver às monarquias constitucionais que tanto apregoas quantos governos são saídos de acordos parlamentares que excluem o partido mais votado.
A argumentação que usaste até agora é um monte de nada, preconceitos e má digestão.

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.

  • Daniel Silva

    Sim, a tendencia é sempre a mesma. O aumento salar...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset