Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



24
Nov

A cada vez maior desconfiança no poder político obrigou a que este concedesse aos cidadãos a possibilidade de recorrer aos tribunais para contestar as suas decisões, cuja utilização tem crescido nos últimos anos, designadamente o uso de providências cautelares ou o recurso ao Tribunal Constitucional para impedir decisões administrativas/políticas*.

 

Esta é uma dinâmica que se reforça a si mesma: as decisões judiciais comprovam que não se pode confiar no poder político pelo que aumenta a pressão na sua utilização**. 

 

Acresce que alguns políticos de responsabilidade acrescida chegaram mesmo a propor a responsabilização civil e criminal dos responsáveis pelos maus resultados da economia do país.

 

Um dos efeitos colaterais deste uso intensivo consiste na percepção (que neste tipo de situações é mais importante do que a realidade) que se criou na sociedade de que os Tribunais são mais um elemento na luta política e como tal respondem pela mesma lógica ideológico/partidária.

 

Ora, acaba por ser natural que esta percepção não fique limitada a estes tipo de processos e comece a abranger todos os processos judiciais, em particular processos criminais - o que por sua vez cria suspeitas no sistema jurídico, minando a sua autoridade.

 

Deste modo, há uma desconfiança generalizada nos poderes do Estado e isso sim é preocupante. 

 

* Esta tendência não é exclusiva de Portugal, conforme nota Fukuyama no seu artigo American Decay, nos EUA foi-se ainda mais longe: o poder judicial chega mesmo a substituir-se ao poder legislativo, tendo sido por esta via que foram alcançados determinados progressos nos direitos civis (ex: segregação racial, despenalização do aborto).

 

**O pior que pode acontecer é se o sistema judicial, que não é imune às pressões e aspirações da sociedade, interioriza a dinâmica indicada e procura moralizar o regime - o que actualmente parece estarmos longe, espero eu.

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

De Joe Strummer a 24.11.2014 às 18:01


Estamos longe? Vivemos um verdadeiro estado de sitio judicial!
Já há mais buscas agora em farmacias, consultorios, etc... Esta nuvem justicieira não pode ser inocente. Manipulação da opinião publica.

P:Xanana ou Carlos Alexandre?
R: Resistir é vencer!


De Joe Strummer a 25.11.2014 às 13:23


Ferro Rodrigues fez novamente um grande discurso na AR. Mas o mais importante, o que o define, neste período de autêntico nojo, é isto :

"Ferro Rodrigues deixou depois uma mensagem de carácter pessoal dirigida à família do ex-primeiro-ministro, que foi também secretário-geral do PS entre 2004 e 2011. "Do ponto de vista pessoal, em termos afectuosos, quero enviar um abraço à família de José Sócrates e, nomeadamente, aos seus dois filhos", afirmou." Fonte : Publico

A hora não pode ser só dos canalhas. Grande Féfé.

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • Jaime Santos

    Eu não entendi o comentário do Diogo Moreira nesse...

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset