Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



20
Nov

De que PS o país não precisa?

por David Crisóstomo

A seguir, insinua, revelando uma pulsão inquisitorial que as ortodoxias inevitavelmente incentivam, que a explicitação de uma qualquer dúvida em relação ao sucesso eleitoral absoluto da nova liderança socialista constitui uma manifestação inaceitável de derrotismo partidário. Opta depois por vituperar uns supostos ziguezagues, que aliás é incapaz de enunciar com clareza, apelando a que os mesmos sejam devidamente vergastados no próximo conclave socialista. É que para ele a vitória de António Costa significa a recusa de um PS reduzido ao exercício de uma simples oposiçãozinha. Não, o país carece de uma oposição a sério, sólida, profunda, fracturante, que o promissor político portuense enuncia com uma clareza desarmante: ele quer um PS empenhado na recusa do Tratado Orçamental, numa revisão do Código do Trabalho, na revalorização do Estado e na renegociação da dívida impagável, voltado para uma reforma fiscal que penalize mais o capital do que o trabalho. Se não estou enganado, este programa já existe e é da autoria do Bloco de Esquerda (e, como é óbvio, nem tudo o que é preconizado merece a minha discordância). O que suscita a minha mais viva apreensão é o conjunto do programa preconizado, a que só falta aliás um ataque descabelado ao Tratado Comercial Transatlântico que está presentemente a ser negociado entre a União Europeia e os Estados Unidos."

 

O autor deste excerto, publicado na imprensa escrita, é um velho dirigente socialista portuense destinado a exercer neste curto prazo umas certas responsabilidades no plano europeu. Se o cito é porque descortino no seu pensamento algumas das principais características configuradoras da identidade de uma corrente política que me suscita enorme apreensão, pelas razões que passo a apresentar: insuportável arrogância moral, indisfarçável propensão para o desprezo doutrinário, preocupante valorização de uma linguagem tecnocrata em detrimento da argumentação racional, inquietante e enorme incompreensão da realidade contemporânea. Se virmos bem, estamos perante um discurso construído a partir de clichés, de antagonismos puramente retóricos, de proclamações integralmente vazias.

Comecemos pelo que me parece mais deplorável: a tentativa de desqualificação intelectual e moral de qualquer posição que se afaste de uma antiga e diluída visão intelectual do socialismo. O velho autor do texto não faz a coisa por menos – considera absurdo um post no facebook de quem defendia o perigo e as desvantagens para o país de uma coligação futura entre o PS e o PSD, e coloca mesmo essa posição num domínio situado para além de qualquer possibilidade de compreensão lógica. Identifica aliás essa expressão de irracionalidade como uma obstinação ideológica, uma espécie de desvario mental, portador de perigosas implicações. Contínua, revelando a falta de visão politico-ideológica que as tradicionais gerentocracias europeias do centro-esquerda foram nos últimos anos incentivando, que a explicação de uma qualquer questão em relação ao desaire eleitoral de uma antiga liderança não está relacionada com a análise e pensamento político por esta difundido e cultivado. É que para ele a vitória de António Costa não significa a recusa de um PS reduzido ao exercício de uma simples oposição. Não, a oposição do anterior secretariado já era claramente uma oposição a sério, sólida, profunda, imensamente fracturante, que o decepcionante político portuense enuncia com uma clareza desarmante: uma oposição que não deixou de apoiar, ou de se violentamente abster, em diplomas-chave da política de austeridade da actual maioria parlamentar, com algumas delas a virem mesmo a ser declaradas como incompatíveis com a lei fundamental do país; o velho eurodeputado classifica a rejeição dessas medidas como algo próprio da esquerda radical (e, como é óbvio, não fundamenta esta sua opinião) e que só faltaria haver quem questionasse a absoluta bondade do Tratado Comercial Transatlântico. O que está em causa não é de somenos importância: a prevalecerem estas visões, o PS renegaria o essencial da sua trajectória histórica enquanto grande partido do centro-esquerda e autocondenar-se-ia a um estatuto de absoluta irrelevância no plano nacional e europeu. Para além de que em nada contribuiria para a superação dos verdadeiros problemas que um capitalismo desregulado provocou e tem vindo a provocar. O país não precisa de um PS iludido com a perspectiva de uma direita amestrada, iluminada e arrependida. O país carece de um PS empenhado na enunciação de um programa de governação sério, credível e exequível, que consiga não só desfazer os recentes sucessivos ataques ao Estado Social português, como trilhar um caminho para o seu fortalecimento futuro, batendo-se assim por um crescimento económico sustentável e pela continuação do desenvolvimento socioeconómico do país há 40 anos iniciado. António Costa deu provas de que não concebe outro caminho que não seja este. Ainda melhor.

 

 

Ah, como tenho aparentemente mais educação que o autor aqui citado, identifico-o como sendo o Francisco Assis. E o texto que o deixou em fanicos foi o do Tiago Barbosa Ribeiro

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


7 comentários

De Teodoro a 20.11.2014 às 14:58

Adorei!

De Ana Matos Pires a 20.11.2014 às 15:46

Grande jovem que assim responde ao "outro filósofo do PS".

De Afonso Abreu a 20.11.2014 às 15:52

Aparentemente o que não tem, ao contrário dos outros dois que citou, é coragem e franqueza de assinar o que escreve.

De David Crisóstomo a 20.11.2014 às 16:55

Ahn? Oh senhor Abreu, este foi o nome com que vi ao mundo. E ate gosto dele, obrigadinho.

De Afonso Abreu a 20.11.2014 às 17:07

Tem toda a razão. Peço desculpa pelo comentário. Mas quando abri o texto no telemóvel não vi o seu nome em lado nenhum.

De Joaquim Moura a 20.11.2014 às 17:32

É decepcionante para muitos dos que apoiaram António Costa nas primárias o que se está a passar no PS. A dinâmica criada com as primárias perdeu-se, A direita, perante a possibilidade do PS poder consolidar uma posição nas sondagens perto da maioria absoluta (sondagem da Univ . Católica), assentou baterias em António Costa e conseguiu os seus intentos. O PS recuou para o patamar dos 38%. O PS voltou a alhear-se dos milhares de simpatizantes que agora vendo os "pragmáticos" (Assis) a ganharem terreno e o bloco central a ganhar forma de futuro governo, começam a olhar para Ana Drago e Rui Tavares como uma opção menos má. Apesar do irrealismo do programa do Livre, ao menos sabem que não será mais do mesmo com os mesmos, porque disso estão fartos e enojados.

De Ana Paula Cabrita a 21.11.2014 às 10:33

A democracia representativa, pelo modo como se comportaram os partidos politícos no passado e actuam no presente, é uma farsa que deve ser abolida da sociedade portuguesa.
Os esquemas são sempre os mesmos...prevaricação, nepotismo, corrupção e desvios de capitais.
Acabar com os partidos seria uma dádiva divina...

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • João Rosa

    Este post já tem algum tempo mas desde que se inic...

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset