Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

10
Out15

Das coisas insólitas porque esperadas

Nuno Oliveira

Parece que alguns comentadores e actores políticos se espantam por acontecer o anunciado. Imaginem algo tão surpreendente quanto a actuação do Secretário-Geral do PS corresponder à sua intervenção no último congresso do Partido Socialista. Como bem diz o Ferreira Fernandes: "quando as coisas se passam de forma tão insólita (porque esperada), é natural que descambem em situações cada vez mais naturais. Ou, se quiserem, surpreendentes."

 

Ora avaliem o que disse António Costa e pasmem-se com o que está a acontecer. Vejam como é totalmente surpreendente a  presente iniciativa política:

 

Não quero alimentar tabus, nem quero deixar qualquer tipo de equívoco. Em primeiro lugar, nós recusamos o conceito de “arco da governação” como delimitando quem são os partidos representados na AR que têm acesso e têm a legitimidade a partilhar a responsabilidade governativa. Em democracia, quem decide quem representa o povo é o povo, ninguém se pode substituir ao povo a excluir parte dos seus representantes das plenas responsabilidades.

 

Portanto, que fique claro: nós não excluiremos os partidos à nossa esquerda da responsabilidade que também têm de não serem só partidos de protesto mas de serem também partidos de solução para os problemas nacionais. A vida e a minha própria experiência em Lisboa ensinou-me a não ter excessivas ilusões, já percebi que é mesmo mais comodo estar do lado do protesto do que estar do lado da solução, mas meus amigos, não contarão com o PS para vos ajudar a manterem-se na posição cómoda de ficarem só no protesto e não virem também trabalhar para a solução.

 

[...] E há um segundo equivoco que não podemos também alimentar: o que é que os portugueses nos pedem e o que nós nos propomos fazer. O que os portugueses nos pedem é algo muito claro: que sejamos alternativa ao actual governo e às actuais politicas. O que é que nós propomos aos portugueses? Ser uma alternativa ao actual governo e às actuais políticas. E portanto, não é possível ser alternativa às actuais politicas com quem quer precisamente seguir as actuais políticas. É fundamental para a democracia que em democracia existam alternativas no campo democrático, o pior que pode acontecer a uma democracia é quando se gera um enorme empastelamento, quando existe um pântano no qual ninguém se diferencia, tudo é farinha do mesmo saco e em que não conseguimos distinguir o que uns propõem do que os outros propõem fazer. Quando há esta confusão o que nós alimentamos não é a democracia, o que nós alimentamos são os extremismos, os radicalismos que são esses sim uma ameaça à democracia.

 

 

 

3 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D