Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

10
Fev15

Da complexidade

Nuno Oliveira
Recordemos como há uns meses o maniqueísmo confrontava António Costa com a questão É contra ou a favor do Tratado Orçamental? Contra todas as simplificações, Costa respondeu que o Tratado permitia mais do que a leitura restritiva que estava a ser feita. E contrapôs a "leitura inteligente".

 

Deixo o desafio fastidioso, a quem o aceitar, de encontrar todos os registos depreciativos sobre a "leitura inteligente". Ele há os que afirmavam ser apenas um hábil artíficio retórico para esconder a sua posição (sim ou não) sobre o Tratado e os que apenas se dedicaram a exercícios mais ou menos jocosos sobre a capacidade de os outros países partilharem a leitura de António Costa.

 

Curiosamente passados estes meses, não só a "leitura inteligente" foi abraçada oficialmente pela Comissão como no espaço público ela já parece ser entendida sem grandes traumas.

 

Mas sabemos que a simplificação não dá tréguas e exige-se agora a António Costa uma resposta sobre  a "questão da dívida". Uma resposta e uma resposta binária. Pagar, sim ou não? Reestruturar, sim ou não? Como se não houvesse espaço político, se não uma infinitude, pelo menos um largo espectro de soluções.

 

O que se pode e deve exigir a um político é que tenham objectivos. E neste caso ele é claro. O objectivo é ultrapassar o constrangimento ao investimento público. Ele foi identificado e já ultrapassado no Tratado Orçamental. Foi identificado e não ultrapassado não questão da dívida pública.

 

É preciso aceitar que, por vezes, as discussões podem e devem ser complexas. É preciso aceitar que pode haver mais soluções que "pagar ou não pagar" a dívida. Mais soluções do que "reestruturar ou não reestruturar a dívida". Observando as subtilezas - e a imaginação - das instituições europeias é bem possível que se alcance em breve uma solução que permite aos países da periferia realizar o investimento indispensável ao seu crescimento económico, indispensável a que recuperem do atraso estrutural de competitividade. E essas soluções aparecerão independentemente de todos quantos pretendem reduzir a resposta binárias o pagamento ou a reestruturação da dívida e independentemente da designação que seja dada aos mecanismos acordados.

 

Percebe-se a tentativa de simplificar as discussões. Mas é preciso, por vezes, aceitar a complexidade e confiar que os cidadãos a percebem. Possivelmente, melhor do que muitos julgam.

 

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D