Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

02
Dez15

Carta aberta aos meus amigos do PSD

João Gaspar

 

Carta aberta aos meus amigos do PSD

 

Queridos amigos e queridas amigas,

espero sinceramente que a presente missiva vos encontre de boa saúde e em grande forma. Temo, no entanto, que não seja esse o caso. Os sinais são alarmantes e têm aqui um amigo genuinamente preocupado convosco. Caso não tenham reparado, têm um grupo de loucos a dirigir o vosso partido. Não quero que leiam nestas palavras nenhuma forma de ingerência na vida interna da vossa agremiação política. Muito menos qualquer tipo de condescendência para com a vossa capacidade de gerir livre e sabiamente os vossos destinos políticos. Vocês conhecem-me e sabem que sou um idiota condescendente. Mas, neste caso, trata-se mesmo de preocupação genuína.


O grupo de loucos com sede de poder que tomou de assalto primeiro a liderança do vosso partido e depois o governo do país, viveu durante quatro anos embriagado pelo poder (executivo, legislativo, financeiro). Foi festa rija, à boleia de um grupo de bêbedos que julgou estar a viver o sonho húmido do Sá Carneiro. Uma maioria, um governo, um presidente. Uma bela merda. Um pesadelo. Enterraram a social-democracia que, sem razão aparente, resiste na sigla do vosso partido, à laia de fachada, qual neon luminoso à porta de um enclave tenebroso.

 

Agora que perdeu o governo do país, o PSD parece ter perdido a cabeça. E é esta a principal razão por que vos escrevo. Sem a bóia do poder governativo, o vosso partido parece nadar fora de pé, à deriva. Para não me alongar em demasia (sei que vocês são pessoas ocupadas), elenco apenas alguns dos principais sintomas.


(1) Depois de quatro anos a empobrecer o país, o vosso partido fez uma campanha baseada em mentiras e manipulações das estatísticas oficiais do Estado, dos quais o embuste da sobretaxa de IRS é só o mais visível.

(2) Uma vez perdido o apoio parlamentar maioritário, e percebendo que havia reais possibilidades de um governo de esquerda, a estratégia do PSD foi a seguinte:
a) o PS, cujo programa nos conduzirá à bancarrota, pode incluir medidas do seu programa no programa de governo desde que o PSD forme governo;
b) o PS, ao não querer viabilizar o nosso governo, conduzirá o país ao caos e à bancarrota;
c) pode ser que alguns deputados do PS votem pela viabilização de um governo do PSD;
d) um governo do PS com o apoio da maioria de deputados na Assembleia da República é um golpe de Estado, inconstitucional, ilegítimo. Este ponto é especialmente importante para o diagnóstico, uma vez que, quem bradou que um governo do PS era um golpe de Estado inconstitucional sabe - perfeitamente - que isso é mentira. E, se não sabe, ainda é mais grave.
e) cuidado, vêm aí os comunistas.

(3) Quando a estratégia exposta em (2) falhou, após a queda previsível do governo-iogurte, o PSD avisa, garante, promete, que não votará a favor de nenhuma medida do governo PS. Com a maior das leviandades, os loucos que dirigem o vosso partido garantem-nos que, enquanto deputados eleitos pelo povo, votarão, se necessário for, contra as próprias convicções. Só para «não dar a mão ao PS», estão dispostos a votar contra tudo aquilo em que, deduzo, vocês acreditam e lhes confiaram no voto.

(4) Após o debate do programa do XXI Governo Constitucional na Assembleia da República o PSD e o CDS farão votar uma moção de rejeição, mais inútil do que sauna no deserto. Não por ser uma moção derrotada à partida (há amiúde honra nos derrotados à partida), mas porque porá em evidência a fragilidade, quando não o ridículo, do discurso sobre a suposta ilegitimidade do governo. E, acima de tudo, porque é uma moção de se chumba a si própria. Mais do que os argumentos dos partidos da esquerda, a resposta à moção de rejeição será dada pelo resultado da própria votação. 123-107. Está explicada a (i)legitimidade do XXI Governo Constitucional.

 

(Ex)posto isto, e porque sei que vocês são melhores do que este grupo de loucos que dirige o vosso partido, porque conheço as vossas convicções e intenções, porque um partido verdadeiramente social democrata é essencial à vida política ao Portugal contemporâneo, porque este PSD dos últimos anos é uma deriva neoliberalóide que parece dar-se melhor com os mercados do que com o regular funcionamento das instituições democrática e porque uma boa oposição é fundamental para que um bom governo governe melhor e para que o sistema de democracia representativa seja devidamente valorizado, é com enorme estima e amizade, apesar das nossas inalienáveis diferenças políticas e ideológicas, que vos peço: façam qualquer coisa. Marquem um congresso, elejam uma nova direcção, telefonem ao Rui Rio, sei lá, façam qualquer coisa. Está um louco ao volante e não vos queria ver num acidente. Livrem-se dele enquanto é tempo. A última vez que vocês deixaram alguém deste calibre pegar no volante, a fingir não ter ideologia, sempre mais preocupado com a estatística e os mercados do que com a vida das pessoas, o carro era um Citröen, ia só fazer a rodagem à Figueira e ainda hoje estamos a sofrer com o sinistro. Vejam lá isso.

 

2 de Dezembro de 2015.

Sempre vosso,

João.

 

 

 

43 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D