Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

05
Nov15

Capitolismo

CRG

"Capito, que era suficientemente tolo para querer ser prevenido de tudo..."

Voltaire

 

Nos últimos anos tornou-se recorrente as "pessoas muito sérias" apelarem à estabilidade como se esta fosse um fim em si mesmo. Estes novos capitos detestam a incerteza política. No entanto, não é bem a incerteza que os incomoda tanto - ao mesmo tempo conseguem alegar, sem qualquer consciência de contradição, que o mundo mudou, que já não é mais possível existir segurança no mercado laboral. O que eles desejam é a certeza da aplicação de uma política: a única que segundo eles é capaz de garantir a confiança dos mercados.

 

Neste mundo maravilhoso dos mercados perfeitos a prossecução e implementação das "reformas estruturais" tornaria o crescimento económico eterno. Com efeito, esquecidos da definição keynesiana do capitalismo como "um sistema caracterizado pela incerteza", tiveram a soberba de declarar que "o problema central da prevenção das depressões foi resolvido" (Robert Lucas da Universidade de Chicago - 2003). 

 

Passados cinco anos desta frase surgiu a crise financeira do subprime, que não foi certamente causada pela incerteza política, nem pela regulação. Será que foi o oposto? Será que, como defende Minsky, a instabilidade financeira surge da estabilidade: períodos de calma, de progresso, de crescimento sustentado transforma os mercados descontentes com a taxa normal de lucro e em busca de taxas mais elevadas procuram riscos maiores?

 

Em qualquer dos casos esta preconizada estabilidade funciona como pura propaganda (soa bem: quem não gosta de algo fiável para variar?), um subterfúgio, uma imposição anti-democrática para proteger certos interesses, eles próprios destabilizadores. Após quatro anos da troika, Portugal tem mais de 800 mil trabalhadores com um vínculo precário. Estabilidade, portanto.

2 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D