Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

08
Mar15

Bom senso precisa-se

Nuno Pires

Cavaco Silva

 

“Um Presidente da República de bom senso deve deixar aos partidos as suas controvérsias político-partidárias que já cheiram a campanha eleitoral”, disse ontem Cavaco Silva, sobre os incumprimentos fiscais e contributivos do ainda Primeiro-Ministro, por este praticados e publicamente assumidos.

Considerar que a fuga de Pedro Passos Coelho ao pagamento de contribuições para a Segurança Social, regularizada apenas após o aviso de um jornal, é matéria que decorre de qualquer questão político-partidária, é um completo disparate, que nem o facto de ter sido proferido numa cervejeira desculpabiliza.

Mas isso é apenas parte da questão. É que quem disse isto foi o mesmo Cavaco Silva que em 2009, a escassas semanas de eleições legislativas, resolveu fazer uso do seu estatuto de Presidente da República para lançar uma das mais lamentáveis "controvérsias político-partidárias" (para usar as palavras de Cavaco) que a nossa democracia já conheceu: a inventona das escutas a Belém, por parte do Governo.

"Um Presidente da República de bom senso não deve entrar em lutas político-partidárias e o Presidente da República está acima dos partidos, das polémicas que eles desenvolvem", disse Cavaco, na mesma intervenção. E a conclusão óbvia destas declarações é que a noção de bom senso desapareceu, há muito, do cidadão que atualmente ocupa o cargo de Presidente da República.

Para além de se revelar, por vontade própria, impotente na tarefa de assegurar o regular funcionamento das instituições democráticas, Cavaco Silva empenhou-se em envergonhar uma delas: a Presidência da República. Parecendo ter já perdido a dignidade, devem agora, os seus assessores e apoiantes, ajudá-lo a terminar o seu mandato sem que denigra, ainda mais, o importante cargo que ocupa.

 

 

12 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D