Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



05
Set

Autárquicas (I)

por João Gaspar

Se, parafraseando Ambrose Bierce, a guerra é maneira de ensinar geografia aos americanos, as eleições autárquicas deviam servir para ensinar a geografia de Portugal aos portugueses. Em vez disso, o passatempo nacional colectivo preferido em tempo de campanha eleitoral autárquica parece ser rir de cartazes e slogans.

Não me interpretem mal: Portugal tem mesmo uma toponímia extremamente engraçada. Da Picha até à Coina, da Azia ao Amor, do Rego até à Branca, enfim, a gargalhada, como muitas rotundas, é incontornável. Ainda por cima a Picha fica ali ao pé da Venda da Gaita, não há fuga possível. Não me interpretem pior: eu gosto mesmo muito de me rir de cartazes e slogans. Mas corremos o risco da gargalhada estilo like & share substituir aquela coisa não despicienda numa campanha eleitoral - a política.

Seria interessante que se aproveitasse o embalo do riso para conhecer, pensar e discutir os problemas de um país que vai funcionando a várias velocidades (e muitas vezes em ponto morto). Infelizmente, parece haver uma relação inversamente proporcional entre as gargalhadas provocadas e o real interesse pelos problemas das populações.

A coisa é mais grave quando o riso é condescendente e paternocentralista. Uma rotunda é uma rotunda é uma rotunda, seja no Marquês ou em Carrazeda de Ansiães. Há um país esquecido, que aparece à tona de campanha em campanha, sob a forma de trocadilhos fáceis e cartazes hilariantes partilhados ad nauseum na era das redes dois ponto zero. Passadas as eleições esse portugal volta pró fundo (vêem?, também sei fazer maus trocadilhos), as populações voltam a cair no esquecimento. Quase ninguém partilhará (d)a sua revolta pela falta de transportes, de acessibilidades, de escolas, centros de saúde, de tribunais. A coesão territorial voltará a ser uma entidade mitológica.

PS (salvo seja): isto não invalida a crítica justa ao desespero que, regra geral, a campanha autárquica encerra. Muitas vezes é mais povoada por guerras espúrias pela chave da quinta do que por propostas pelo desenvolvimento e bem estar das populações, e há um esvaziamento da política que só agrava o abandono.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Sitemeter



Comentários recentes

  • João Rosa

    Este post já tem algum tempo mas desde que se inic...

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset