Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



24
Set

O Diário Económico vem hoje desmentir as declarações de ontem do primeiro-ministro. A facilidade com que, à mínima contrariedade, o primeiro-ministro se socorre da mentira é assustadora.

 

Só se pode concluir que, por algum motivo, Passos julga que a mentira compensa. A insistência e falta de decoro só são possíveis na presunção que os eleitores não penalizarão o engano sistemático. Esperemos que no dia 4 de outubro a resposta seja dada pelos eleitores.

 

2015.09.24 DE - Empréstimo ao fundo de resoluça

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

De Jaime Santos a 24.09.2015 às 11:04

Eu acho que é pior do que isso. Passos sente-se de tal maneira inimputável que nem sequer se preocupa em verificar primeiro se os disparates que diz fazem sentido. Ele sabe que por entre o ruído provocado pela comunicação social, vai acabar por levar a melhor. Eu espero sinceramente que se uma vitória do PS não for possível, pelo menos a coligação não chegue à maioria absoluta, porque mais tarde ou mais cedo, estas mentiras vão rebentar-lhe na cara, e eu não quero aturar mais 4 anos disto...

De Joe Strummmer a 25.09.2015 às 19:44

Até dia 4.10.2015

Mas para o bem da indústria do entretenimento, a coligação deveria tomar posse de um governo minoritario que seria derrubado pelo futuro PR da área socialista através de um discurso numa varanda de uma terreola do interior. A vingança servia-se fria e o publico mais conservador e catolico compreenderia bem a morte pelo mesmo ferro.

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • João Rosa

    Este post já tem algum tempo mas desde que se inic...

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset