Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



13
Nov

My favorite philosopher, the late Sir Isaiah Berlin, argued that there was a deep human yearning to find the One Great Truth. In fact, he said, that’s a dead end: Our fate is to struggle with a “plurality of values,” with competing truths, with trying to reconcile what may well be irreconcilable.

That’s unsatisfying. It’s complicated. It’s also life."

Nicholas Kristof

 

Acrescentaria à frase de Kristof que isso também é democracia. Ora, ao classificar o eventual Governo de António Costa como "uma fraude eleitoral e um golpe" Passos Coelho ultrapassou os limites da retórica política. Num momento de alguma exaltação (vd. sede do PS Porto vandalizada) era fundamental que os responsáveis políticos tivessem um discurso sereno e pedagógico, sem embargo de enunciar as suas discordâncias, inclusive das regras constitucionais - ao contrário do que alguns defendem há sempre alternativas e estas podem e devem ser discutidas.

 

O que não é aceitável são lideres dos partidos da direita apelidarem de "fraude eleitoral" e "usurpação de poderes" um Governo que seria formado de acordo com as regras constitucionais. Com efeito, os efeitos nocivos deste discurso no respeito das regras democráticas podem ser incontroláveis, fragilizando o respeito pela democracia e tornando qualquer Governo eleito ilegítimo.

 

Voltando a Kristof: "I suggest we all take a deep breath". 

Autoria e outros dados (tags, etc)


6 comentários

De carlos a 13.11.2015 às 16:07

Boa tarde ;
António Costa passou meses a fio a chamar Passos Coelho de mentiroso , de ressabiado , de desonesto , a lançar suspeições constantes sobre a sua idoneidade e o seu carácter , a insultar frequentemente o Presidente da República , vem agora, qual virgem ofendida, queixar-se das opiniões de Passos Coelho sobre a golpada parlamentar ?! Continua-se a andar à volta da rotunda a discutir quem ganhou as eleições, tivessem elas sido ganhas pelo PS e António Costa faria alianças com quem entendesse , ninguém o ia acusar de falta de legitimidade ou usar truques de algibeira.
É um facto que a partir de agora , todos os que ganham eleições sem maioria absoluta deixam de ter legitimidade para formar governo , vai ser ao gosto do freguês e da corrente política que elegeu o presidente. Grande lição de democracia que o Senhor CRG me deu.

De CLX a 18.11.2015 às 20:26

A questão resume-se a saber se a PaF , tendo obtido mais votos que o PS consegue o apoio parlamentar para governar? A resposta é negativa. O mesmo se passou no Luxemburgo e na Dinamarca, apenas para citar dois exemplos. Não há qualquer fundamento democrático para impor ao 2o partido que apoie parlamentarmente o seu opositor no rescaldo das eleições, sobretudo quando durante a campanha eleitoral se afirmou o contrário - e sobre isto António Costa foi muito claro.
Quanto à honestidade das campanhas eleitorais, seria bom recordar aqui as famigeradas "gorduras do Estado", os "consumos intermédios", a salvaguarda do 13o mês" e para citar um exemplo mais recente a devolução da sobretaxa de IRS. Não existe outra classificação para isto senão mentiras ostensivas e grosseiras!!!
Quanto a Cavaco Silva basta dizer que um político eleito para representar a república colabora na eliminação do feriado do regime e nem sequer se digna participar na cerimónia de celebração da efeméride é alguém que não honra a função para que foi eleito.

De Carlos a 18.11.2015 às 21:25

Boa noite ,

Quem votou a 4 de Outubro respondeu às suas insinuações. A oportunidade molda o discurso , como afirmam que as eleições não são uma escolha de quem será primeiro ministro.Usando os seus exemplos europeus, pode juntar-lhe a Bélgica e assim Cavaco pode por exemplo convidar Catarina Martins ou Jerónimo de Sousa para apresentarem uma solução de governo , são tão legítimos como António Costa.

De Jaime Santos a 13.11.2015 às 19:23

Numa Democracia Parlamentar, forma Governo quem consegue formar uma Maioria. Quem ganhou ou perdeu é conversa que não consta sequer da CRP. É aliás assim que funciona na Europa, ver os exemplos da Dinamarca e Bélgica em que a chefia do Governo não está a cargo do Partido mais votado. O PS não está constitucionalmente obrigado a apoiar um Governo da Direita, e Costa assegura a Estabilidade Governativa. Passos vem falar em golpada? Onde estão os tanques, os soldados, os tiros? Onde é que os deputados do PS usurparam os poderes de quem quer que seja quando apresentaram e fizeram aprovar a moção de rejeição ao Programa de Governo da PàF? Estas atitudes da Direita têm uma causa patológica que não é grave. Chama-se Dor de Corno e resolve-se tomando um calmante e aplicando Hirudoid na testa. A mais longo prazo, aconselha-se aos trolls da Direita que façam uma boa terapia cognitiva, para aprenderem que às vezes perdem em não ficar calados ...

De Carlos a 13.11.2015 às 21:55

Na Inglaterra andam todos em contra-mão..

De Joe Strummer a 13.11.2015 às 19:44

Inhale. Hold it.
Exhale in main street.

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • MRocha

    Se está na lei que devem ser públicas, cumpra-se a...

  • Jaime Santos

    Trump, além de mentiroso, é sobretudo um egomaníac...

  • Joe Strummer

    Pois, mas convem não deixar que noutro lado se ins...

  • Anónimo

    E estou eu contratado pelo estado à 16 anos.

  • Daniel Silva

    Sim, a tendencia é sempre a mesma. O aumento salar...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset