Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

23
Fev16

A insustentável ligeireza de Passos Coelho e José Matos Correia

Nuno Oliveira

É reconhecidamente uma das mais destacadas figuras da direção do PSD. E, sem dúvida, um dos mais sofisiticados e sólidos na argumentação. Talvez por isso surpreenda mais que José Matos Correia se ofereça desta forma ao ridículo.

 

Como ilustra o vídeo do Vargas, Matos Correia afirma de forma insinuante que o ministro se lembra de declarações que mais ninugém se lembra pretendendo no fundo sugerir que ele não as terias feito. Eventualmente, será a memória de Matos Correia incompatível com a atividade parlamentar. Ou não será problema da memória de Matos Correia, que não faz parte da comissão. Talvez Matos Correia tenha confiado indevidamente na memória de deputados desmemoriados.

 

 

 

E porque se dá tanta ênfase a esta questão? Porque foi o PSD que fez desta suposta omissão cavalo da batalha. José Matos Correia diz que lhe faltam esclarecimentos quanto à entrada do capital chinês. Esses esclarecimentos só faltarão porque os deputados que estavam na Comissão nem sequer tiveram a competência de prestar atenção à declarações do ministro. Caso contrário, poderiam ter questionado o ministro.

 

Mais. O próprio Passos, perdido como sempre, veio considerar lamentável: "Fomos todos surpreendidos". Por "todos" entenda-se as pessoas que confiam no trabalho dos deputados do PSD nesta comissão. E tanto confia neste deputados que prossegue os dislates, confiante que o ministro nada teria referido: "acho que o mínimo que o Governo pode fazer é reconhecer que faltou com o esclarecimento que era devido ao parlamento. Esta não é uma maneira correta, adulta, não é uma forma madura de tratar os portugueses e a política portuguesa".

 

Pela minha parte, acho que "o mínimo" que Passos e Matos Correia podem fazer é reconhecer que foram induzidos em erro pelos seus deputados e pedir desculpa ao ministro. Seria uma "maneira correta, adulta e madura" de tratar os portugueses e a política portuguesa.

 

Nota em jeito de desabafo: espera-se dos jornalistas que façam escrutínio. Bernardo Ferrão, na SIC Notícias, em vez de tratar de saber se o ministro teria ou não referido a entrada do capital chinês decidiu ir pelo caminho mais fácil de assumir estarem corretas as acusações do PSD.

 

7 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D