Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



05
Mar

A honra dos canalhas

por Sérgio Lavos

É certo que o maior canalha, quando confrontado com a sua natureza, desmente energicamente tudo e chega a ficar ofendido com as acusações. Todos nós já passámos por isso na vida - encurralado nas suas próprias mentiras, o canalha ataca com o desespero de quem nada tem a perder, provando com os seus actos que a ética é sempre relativa ou inexistente. 

O que aconteceu hoje na Assembleia da República é a prova destas premissas. Questionado por Catarina Martins sobre a quebra da promessa de que os cortes nos salários e nas pensões seriam provisórios, Passos Coelho sentiu-se ofendido, e invocando a defesa da honra, recusou-se a responder à pergunta da deputada*. Instado pela presidente da Assembleia a responder depois de interpelação de Pedro Filipe Soares, o líder da bancada do BE, Passos volta a recusar-se. Como ousam, de facto? Como ousam colocar em causa a palavra do primeiro-ministro? Inadmissível! É que, vamos lá ver, o universo onde de facto as promessas são quebradas é paralelo àquele onde vivemos, só pode. Pedro Passos Coelho, em campanha para primeiro-ministro, prometeu não cortar o subsídio de Natal, não baixar salários e não cortar pensões. Alçado ao pote, tudo o que tinha prometido não acontecer, aconteceu. E as promessas, repetidas ao longo dos últimos três anos, de que os cortes na Função Pública e nas pensões seriam provisórios, também estão prestes a ser violadas. Mas parece que, para este primeiro-ministro, a violação de promessas e a mentira descarada acontecem num qualquer universo paralelo. Porque só assim se entende que tenha decidido reclamar a defesa da sua honra na recusa a uma pergunta feita por uma deputada da Assembleia da República, eleita democraticamente. Porque neste universo, este onde vivemos, um mentiroso é um mentiroso, e Passos Coelho é um mentiroso. E um mentiroso não tem honra, é um reles canalha. Ainda mais canalha porque invoca a defesa de algo que, manifestamente, não tem. E a honra entre ladrões e canalhas tem um preço: as nossas vidas. O pior de tudo, no meio desta choldra sem nome. 

 

*O BE acabou, e bem, por abandonar o parlamento. Pena é que os restantes partidos da oposição (com a excepção de alguns deputados do PS) não o tenham feito. É que a casa da democracia - como Assunção Esteves não se cansa de repetir - tem de ser respeitada pelo senhor primeiro-ministro. E se este não a respeita, que o façam os deputados que supostamente nos devem servir. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

De takedireto a 05.03.2014 às 18:45

pedro filipe soares e não pedro mota soares...

De Sérgio Lavos a 05.03.2014 às 18:53

Ops. Imperdoável da minha parte. Obrigado.

De Joe Strummer a 06.03.2014 às 08:38

Deploravel.
Um PM desesperado, sem saída e em estudada negação perante a quantidade (e qualidade) das mentiras já proferidas (está-se sempre à espera de o ouvir dizer que poortugal cumpriu os objectivos previstos porque se apurou para o Mundial de 2014), um partido desesperadamente à procura de atenção e uma presidente que não presta atenção a nada.
Mais um acontecimento grave de que ninguem se lembrará passados os 2/3 dias de mastigação e indignação mediática. The road to Brasil 2014.

De Sérgio Lavos a 06.03.2014 às 09:47

Esse é que é o problema. Ninguém se lembrará e a maioria das pessoas começa a aceitar estas coisas como se não fossem graves. É a "nova normalidade".

De Joe Strummer a 06.03.2014 às 10:39


Exacto.
Mas a forma de intervenção politica do BE favorece, ao contrario do que se julga, essa aceitação. Tem uma forma normalizada de fazer oposição,não havendo uma distinção e modulação de intensidade na comunicação face aos diferentes argumentos e tempus politico. Foi sempre assim com tudo e a propósito de tudo. Isso cai como sopa no mel no sistema informativo que induz à normalização, favorece-o.

Comentar post




Sitemeter



Comentários recentes

  • João Rosa

    Este post já tem algum tempo mas desde que se inic...

  • Zzzzz

    Qualquer comparação, equiparação, ao nazismo, abso...

  • Sérgio Lavos

    Concordo, devemos respeitar quem é diferente de nó...

  • Bruno

    Muito sinceramente, isto é tudo muito lindo, mas h...

  • alvaro silva

    Só vejo dores de cotovelo e premonições de catástr...







«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.» Ortega y Gasset