Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

365 forte

Sem antídoto conhecido.

Sem antídoto conhecido.

25
Mai15

A esquerda e a vontade de poder

Sérgio Lavos

2015-819374693-20150524180802812rts.jpg_20150524.j

As eleições autonómicas em Espanha vieram confirmar a mudança que vinha acontecendo nos últimos anos. A emergência de movimentos de cidadãos e de novos partidos e movimentos, à direita e à esquerda, culmina na implosão do bipartidarismo que tem sido regra desde o fim da ditadura. O PP venceu em nove das 13 regiões autónomas, mas perdeu todas as maiorias absolutas que detinha. Em Madrid ganhou, mas fica dependente de uma eventual coligação entre o Ahora Madrid (movimento que integra o Podemos e cidadãos de outros partidos de esquerda, como o Equo, equivalente ao LIVRE, tendo recebido o apoio também do partido comunista de Madrid e da Izquierda Unida nacional) e o PSOE. E em Barcelona, ganhou o Barcelona en Comú, outro movimento que integra o Podemos e também o Equo, derrotando o CiU, de direita. Agora precisa de apoio para obter maioria, e o partido socialista da Catalunha será o parceiro mais provável. Somando tudo, o PP perde onze pontos percentuais em relação às últimas eleições autonómicas e o PSOE dois pontos. Nas comunidades onde não conseguiu maioria, o PP corre ainda o risco de ver o Podemos aliar-se ao PSOE para formar Governo.

Para além do fim do bipartidarismo, a principal lição que podemos retirar das eleições de ontem foi o esforço realizado por toda a esquerda (incluindo o Podemos) para conquistar o poder à direita, representada pelo PP mas também pelo movimento Cidadãos. Os diversos partidos à esquerda do PSOE, incluindo o partido comunista, deixaram de parte divergências e juntaram-se em diversos municípios e regiões, assumindo que é mais importante derrotar as políticas de direita do que manter-se entricheirado nas diferenças. O esforço provavelmente estender-se-á ao período pós eleições, tendo vários destes movimentos já admitido negociações com o PSOE para a formação de maiorias. 

Não há trincheiras que não possam servir de rampa para outros voos. A esquerda espanhola mostra um caminho. É verdade que falamos apenas de eleições autárquicas, mas de qualquer modo é difícil não comparar esta vontade de abertura e de convergência da esquerda em Espanha (até o partido anti-sistema Podemos construiu pontes e forjou alianças para chegar ao poder) à desunião e entricheiramento da nossa esquerda. Blindados na sua pureza ideológica, PCP e BE continuam a queimar possibilidades. Isto é um erro táctico, mas também estratégico. Táctico porque a soma de toda a esquerda é bastante superior aos votos da direita. Vivemos num país onde, de acordo com as sondagens, cerca de 65% dos eleitores votam à esquerda. No entanto, é a direita que governa. E é aí que reside o erro estratégico. Os valores da revolução têm sido sistematicamente destruídos pelos sucessivos governos à direita porque a esquerda nunca soube aproveitar a maioria sociológica de esquerda do país. Entretidos em jogos florais, os partidos de esquerda foram vendo o Estado Social sendo lentamente desmantelado, contra a vontade da maioria dos portugueses. Tem sido uma derrota que arde em fogo lento, tecida ao mesmo ritmo com que vão sendo transferidos recursos do factor trabalho para o factor capital e a desigualdade vai aumentando, invertendo a marcha do progresso prometido pela revolução dos cravos. Ainda há tempo? Há sempre, mas é uma agonia ver como, apesar do brutal ataque revanchista da direita aos valores de Abril, a esquerda se mantém rigidamente fiel aos seus princípios e à sua pureza, recusando discutir alianças e convergências. Espanha pode ser um exemplo. Se não o seguir, a esquerda portuguesa irá continuar a intercalar derrotas e ténues vitórias durante muitos anos. Péssimas notícias para o país e para os portugueses. 

 

Adenda: este post do Filipe Santos Henriques explica em pormenor e rigorosamente o que aconteceu ontem.

2 comentários

Comentar post

«As circunstâncias são o dilema sempre novo, ante o qual temos de nos decidir. Mas quem decide é o nosso carácter.»
- Ortega y Gasset

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No twitter

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D